Menu
Pesquisa
Pesquisa
Busca interna do iBahia
HOME > MUNDO
Ouvir Compartilhar no Whatsapp Compartilhar no Facebook Compartilhar no X Compartilhar no Email
15/04/2024 às 13:24 - há XX semanas | Autor: AFP

Começa julgamento histórico contra Donald Trump em Nova York

Trump deve prestar depoimento no julgamento, que pode durar entre seis e oito semanas

Michael Nagle / POOL / AFP
Michael Nagle / POOL / AFP -

O julgamento criminal contra Donald Trump, o primeiro ex-presidente da história dos Estados Unidos a sentar-se no banco dos réus, começou nesta segunda-feira, 15, em um tribunal de Nova York, em plena campanha presidencial de 2024.

O juiz de instrução Juan M. Merchan, de origem colombiana, iniciou o julgamento e, mais uma vez, rejeitou o pedido do magnata de 77 anos para se afastar do caso.

Para o republicano, quase certamente o candidato do seu partido às eleições presidenciais de novembro, o julgamento é uma "perseguição política" orquestrada pelos democratas para impedi-lo de realizar o seu sonho de retornar à Casa Branca.

"Isso é um ataque aos Estados Unidos. Nunca aconteceu nada parecido", disse o magnata conservador ao chegar ao tribunal onde é julgado, acusado de esconder um pagamento de 130 mil dólares à ex-atriz pornô Stormy Daniels para comprar seu silêncio sobre uma relação extraconjugal e assim proteger sua campanha de 2016, que acabou vencendo contra a democrata Hillary Clinton.

O empresário não foi acusado pelo pagamento em si, mas por disfarçá-lo como despesas legais da Trump Organization, a empresa da família, o que pode resultar em uma pena de até quatro anos de prisão.

A sentença, no entanto, não seria um obstáculo para sua candidatura nas eleições presidenciais de 5 de novembro, quando enfrentará pela segunda vez o democrata Joe Biden, que o derrotou na disputa de 2020.

Ele também poderia tomar posse como presidente, embora em uma situação sem precedentes.

Seleção do júri

Depois de um debate entre o juiz e a Promotoria sobre quais provas incluir, o julgamento deveria proceder à seleção dos doze jurados e seis suplentes que terão a responsabilidade de declarar por unanimidade o magnata "culpado" ou "inocente", um processo que pode levar vários dias.

Os candidatos têm que responder a um questionário minucioso sobre as suas preferências políticas e, sobretudo, sobre sua imparcialidade e capacidade de definir o destino de um dos políticos mais influentes dos últimos anos, tanto nos Estados Unidos como no mundo.

O empresário é acusado de 34 falsificações de documentos contábeis da Trump Organization para camuflar como "despesas legais" os pagamentos feitos a Stormy Daniels, que foram adiantados com dinheiro do então advogado e homem de confiança de Trump, Michael Cohen, atualmente grande inimigo do ex-presidente e que será uma das principais testemunhas da acusação.

O julgamento terá de demonstrar que Trump tinha consciência dos pagamentos, pelos quais Cohen já foi condenado.

"Muito em jogo"

Esta é uma das muitas frentes jurídicas abertas contra o magnata nova-iorquino, que acumulou fortuna no setor imobiliário e na construção de campos de golfe e afirma ser vítima de "uma caça às bruxas".

Será provavelmente o único julgamento a acontecer antes das eleições de 5 de novembro.

O candidato republicano também é acusado por tentar reverter os resultados das eleições presidenciais de 2020 e pela gestão de documentos confidenciais que levou para casa quando saiu da Casa Branca.

"Há muito em jogo, porque Trump e seus advogados conseguiram até agora adiar os (outros) julgamentos", disse à AFP Carl Tobias, professor de direito da Universidade de Richmond.

Mas longe de prejudicar a sua corrida presidencial, cada problema com a lei parece reforçar a sua popularidade entre os seus apoiadores.

No sábado, em um comício na Pensilvânia, Trump voltou a afirmar que é vítima de perseguição judicial e política dos democratas.

"Nossos inimigos querem tirar minha liberdade porque nunca permitirei que tirem a de vocês", declarou a seus simpatizantes.

Trump deve prestar depoimento no julgamento, que pode durar entre seis e oito semanas.

Em alerta máximo, alguns apoiadores e críticos do magnata manifestaram-se em frente ao tribunal de Manhattan, no sul de Nova York, isolado pela polícia.

Ao contrário de outros estados, as câmeras de televisão não estão autorizadas nos tribunais de Nova York, o que significa que apenas a imprensa escrita vai relatar o desenvolvimento do julgamento, que desperta grande interesse.

As ações da empresa de mídia de Donald Trump, Trump Media and Technology Group, despencaram em Wall Street nesta segunda-feira.

As ações da TMTG, que controla a rede social Truth Social do presidente, perderam 15,91%, a US$ 27,41 (R$ 140,77), por volta das 11h50 (horário de Brasília), no primeiro dia do processo judicial.

Assuntos relacionados

acusação caça às bruxas Donald Trump E-A-T eleições presidenciais julgamento nova york Perseguição política YMYL

Compartilhe essa notícia com seus amigos

Compartilhar no Email Compartilhar no X Compartilhar no Facebook Compartilhar no Whatsapp

Tags:

acusação caça às bruxas Donald Trump E-A-T eleições presidenciais julgamento nova york Perseguição política YMYL

Repórter cidadão

Contribua para o portal com vídeos, áudios e textos sobre o que está acontecendo em seu bairro

ACESSAR

Assuntos relacionados

acusação caça às bruxas Donald Trump E-A-T eleições presidenciais julgamento nova york Perseguição política YMYL

Publicações Relacionadas

A tarde play
Michael Nagle / POOL / AFP
Play

Fotógrafo brasileiro expõe ação de batedores de carteira em Paris

Michael Nagle / POOL / AFP
Play

Vídeo: Papa Francisco faz oração pelo povo gaúcho em missa no Vaticano

Michael Nagle / POOL / AFP
Play

Vídeo: colisão de helicópteros militares na Malásia deixa 10 mortos

Michael Nagle / POOL / AFP
Play

Vídeo: Bebê palestino nasce após morte da mãe em ataque aéreo

x

Assine nossa newsletter e receba conteúdos especiais sobre a Bahia

Selecione abaixo temas de sua preferência e receba notificações personalizadas

BAHIA BBB 2024 CULTURA ECONOMIA ENTRETENIMENTO ESPORTES MUNICÍPIOS MÚSICA POLÍTICA