Fim do direito ao aborto nos EUA é 'um duro golpe', diz ONU

Comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachele, criticou decisão da suprema corte americana

Publicado sexta-feira, 24 de junho de 2022 às 16:54 h | Atualizado em 24/06/2022, 16:54 | Autor: AFP
Mulheres protestam contra evogação do direito ao aborto nos Estados Unidos
Mulheres protestam contra evogação do direito ao aborto nos Estados Unidos -

A revogação do direito ao aborto nos Estados Unidos foi "um duro golpe aos direitos humanos das mulheres e à igualdade de gênero", disse a alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, nesta sexta-feira, 2. 

"O acesso ao aborto seguro, legal e eficaz está firmemente enraizado no direito humano internacional e é fundamental para a autonomia das mulheres e sua capacidade de fazer suas próprias escolhas", escreveu Bachelet em nota.

"Esta decisão retira essa autonomia para milhões de mulheres nos Estados Unidos, especialmente as de baixa renda e as pertencentes a minorias raciais e étnicas, em detrimento de seus direitos fundamentais", acrescentou a ex-presidente chilena. 

É "um grande retrocesso", ressaltou. 

Mais de 50 países que tinham leis mais restritivas suavizaram suas legislações sobre o aborto nos últimos 25 anos, lembrou Bachelet.

"A decisão de hoje [sexta-feira] afasta os Estados Unidos desta tendência progressista", lamentou.

A Suprema Corte dos Estados Unidos revogou nesta sexta-feira o direito ao aborto, após derrubar a decisão que, desde 1973, permitia a interrupção de gestação no país.

A decisão, no entanto, não torna o aborto ilegal, mas permite que cada estado decida autorizá-lo ou não.

Publicações relacionadas