Justiça dos EUA seleciona júri para julgar ex-assessor de Trump

Steve Bannon foi processado por se recusar a cooperar com investigação parlamentar sobre o ataque ao Capitólio, em janeiro de 2021

Publicado segunda-feira, 18 de julho de 2022 às 13:58 h | Atualizado em 18/07/2022, 13:58 | Autor: AFP
Discreto, mas muito influente, Steve Bannon desempenhou um papel essencial na eleição de Donald Trump em 2016
Discreto, mas muito influente, Steve Bannon desempenhou um papel essencial na eleição de Donald Trump em 2016 -

A Justiça dos Estados Unidos inicia, nesta segunda-feira (18), a seleção do júri para o julgamento de Steve Bannon, ex-assessor de Donald Trump (2017-2021) processado por se recusar a cooperar com a investigação parlamentar sobre o ataque ao Capitólio. 

Discreto, mas muito influente, Bannon desempenhou um papel essencial na eleição do magnata republicano em 2016, dando uma guinada populista em sua campanha. No ano seguinte, deixou de ser seu assessor.

Os dois homens mantiveram o vínculo e estiveram em contato nos dias anteriores ao ataque de 6 de janeiro de 2021 à sede do Congresso, segundo a comissão da Câmara de Representantes, encarregada de esclarecer o papel do ex-presidente neste ataque. 

Para descobrir sobre o que eles conversaram naqueles dias, a comissão intimou Steve Bannon, 68 anos, a depor e apresentar documentos. No entanto, ele se recusou, citando o direito dos presidentes de manter algumas de suas conversas em sigilo. 

Essa rejeição fez com que fosse acusado em novembro de "obstruir os poderes investigativos do Congresso". 

À medida que o julgamento se aproximava, Bannon mudou de ideia e concordou em cooperar com os congressistas. 

A Procuradoria denunciou "uma tentativa de última hora de evitar a responsabilização" e o juiz encarregado do caso decidiu continuar o julgamento.

Seus advogados pediram, em vão, o adiamento do julgamento por receio de que os membros do júri fossem influenciados pela transmissão das audiências da comissão de inquérito, das quais a próxima está marcada para quinta-feira à noite, a uma hora da audiência máxima. 

Após mais de um ano de investigações, essa comissão detalhará o que o ex-presidente Donald Trump fez e não fez em 6 de janeiro, explicou a congressista democrata Zoe Lofgren no domingo. 

Acredita-se que o líder republicano não tenha feito nada por quase três horas enquanto centenas de seus apoiadores invadiram o Capitólio, causando estragos e forçando os legisladores a suspender a validação da vitória presidencial do democrata Joe Biden. A tomada parcial da sede legislativa resultou em cinco mortes, uma delas de policial.

Publicações relacionadas