Carnaval e perfeição | A TARDE
Atarde > Opinião

Carnaval e perfeição

Confira o Editorial do Jornal A TARDE deste domingo, 18

Publicado domingo, 18 de fevereiro de 2024 às 05:00 h | Autor: Editorial
Imagem ilustrativa da imagem Carnaval e perfeição
-

A ideia perfeita de “Carnaval”, como toda e qualquer relacionada a algum ente dito “real”, é necessariamente distante – e muito – do fenômeno ao qual tenta conexão, pois no mundo da vida, desmancham-se no ar as abstrações.

Eis aí uma certeza de 2 mil e 300 anos abalada pela recente pândega da Bahia, evento suficiente para desafiar a suposta “verdade” ancestral, aproximando, em inédita – ou rara  – demonstração, o inteligível e o realizável.

Neste viés, até falta na língua portuguesa uma palavra capaz de corresponder a nossa “negra-festa”, pois “êxito”, “sucesso”, “resultado”, soam paupérrimas, virando, assim, o jogo ideal – a linguagem não dá mais conta.

Entre algumas peças comprobatórias da farra exemplar, está a do fluxo em escalada de foliões nas ruas; a recuperação de vestígios do original entrudo, raiz da folia atual; e a pluralidade dos blocos, incluindo a AfroBahia.

Há muito mais: camarotes para quem pode pagar pelos mimos e localização; festa nos bairros; e protagonismo do folião pipoca, deixando no passado a era dos “cordeiros”, ironia perversa para referir os trabalhadores no ofício de proteger os blocos.

Trabalho minucioso – e confiável – da Secretaria de Turismo do Estado, por meio da Superintendência de Fomento ao Turismo (Sufotur), calculou R$ 6,6 bilhões na captação de recursos em Salvador e 87 municípios a abrigar a folia, enquanto a capital recebia 1 milhão de turistas.

Toda esta aglomeração, a inspirar pauta especial de A TARDE na edição de hoje, foi possível pelo trabalho da segurança, ao cuidar da maior festa de rua do mundo, em entrosamento multidisciplinar com equipes de saúde e serviço social, entre outras áreas.

No balanço final da festa de 2024, justifica-se o rumo da perfeição inatingível – bússola da utopia – com dezenas de aspectos, cabendo menção honrosa à articulação entre  governo estadual e prefeitura da capital, embora aparentemente pratiquem políticas distintas e atuem em campos opostos.

Publicações relacionadas