Menu
Pesquisa
Pesquisa
Busca interna do iBahia
HOME > OPINIÃO
Ouvir Compartilhar no Whatsapp Compartilhar no Facebook Compartilhar no X Compartilhar no Email
08/07/2024 às 7:32 - há XX semanas | Autor: Da Redação

OPINIÃO

Editorial - Epidemias de insensatez

Confira o editorial desta segunda-feira do Grupo A TARDE

Não bastasse produzir a sensação de uma negligência contagiosa, há a hipótese de descaso, desprezo e torpeza
Não bastasse produzir a sensação de uma negligência contagiosa, há a hipótese de descaso, desprezo e torpeza -

Vacinação infantil é tema ao qual devem sempre retornar, diuturnamente, os gestores públicos, a iniciativa privada responsável e a cidadania, em suas articulações de engajamento fixe, devido ao valor primeiro da vida de crianças.

É inaceitável o cenário de paradoxo pleno: se entre 2019 e 2022 o governo omisso sequer respondia a ofertas de ampolas, hoje são as pessoas as faltosas com sua obrigação, talvez ainda sob efeito do negacionismo anterior.

A Bahia, como outros estados, fica muito abaixo do esperado da adesão de campanha para manter as doenças sob controle, em descompasso entre a vontade de proteger a infância, por parte de adultos, e os lotes de imunizantes.

Reportagem publicada em A TARDE, hoje, contribui para a discussão do absurdo, em contexto já predisposto a participação do Ministério Público, uma vez ter sido o país gravemente contaminado nas epidemias de insensatez.

Não bastasse produzir a sensação de uma negligência contagiosa, a média aproximada de um a cada quatro recém-nascidos defendidos contra BCG (tuberculose), em Salvador, há a hipótese de descaso, desprezo e torpeza.

Uma ilustrativa poção de ignorância, má fé, omissão e descompromisso pode ter sido ministrada aos casais em família, mães “solo”, avós e responsáveis, como revela a estatística do combate à Covid-19, causadora da pandemia.

Para o esquema inicial de três doses, as primeiras multidões compareceram, quase 13 milhões “in totum”, no entanto, não se contemplou a repetição, caindo para 214 mil na terceira etapa, uma fração irracional e minúscula.

Quando analisado o gráfico do reforço, incluindo a quarta injeção, a queda aproxima-se ainda mais da seta abismal para baixo, na escalada de atentado à saúde: 7,3 milhões no começo; 3,4 milhões no meio; e irrisórios 58,2 mil no fim.

O quadro revelador de tanta gente ausente solicita a coragem das autoridades com o objetivo de incentivar a virada neste preocupante placar, por meio de estratégias de busca ativa, visita às escolas e campanhas massivas.

Assuntos relacionados

adesão vacinal campanhas de imunização engajamento comunitário epidemias de insensatez negligência em saúde pública Vacinação Infantil

Compartilhe essa notícia com seus amigos

Compartilhar no Email Compartilhar no X Compartilhar no Facebook Compartilhar no Whatsapp

Tags:

adesão vacinal campanhas de imunização engajamento comunitário epidemias de insensatez negligência em saúde pública Vacinação Infantil

Cidadão Repórter

Contribua para o portal com vídeos, áudios e textos sobre o que está acontecendo em seu bairro

ACESSAR

Assuntos relacionados

adesão vacinal campanhas de imunização engajamento comunitário epidemias de insensatez negligência em saúde pública Vacinação Infantil

Publicações Relacionadas

A tarde play
Não bastasse produzir a sensação de uma negligência contagiosa, há a hipótese de descaso, desprezo e torpeza
Play

Simplificando a ortografia e o ensino

x

Assine nossa newsletter e receba conteúdos especiais sobre a Bahia

Selecione abaixo temas de sua preferência e receba notificações personalizadas

BAHIA BBB 2024 CULTURA ECONOMIA ENTRETENIMENTO ESPORTES MUNICÍPIOS MÚSICA POLÍTICA