Saúde no prato | A TARDE
Atarde > Opinião

Saúde no prato

Confira o Editorial do Jornal A TARDE

Publicado sábado, 09 de março de 2024 às 05:00 h | Autor: Editorial
Imagem ilustrativa da imagem Saúde no prato
-

O combate à fome é prioridade do governo federal: o presidente Luiz Inácio Lula da Silva já alertou à equipe ministerial para investir sem hesitar quando tratar do tema, agora acrescido de estratégia visando alimentação saudável.

Na avaliação da equipe de nutricionistas assessores do Planalto, seria incompleto o plano, se não viesse em anexo a dignidade de uma dieta apropriada para fortalecer o organismo das pessoas mais carentes.

A estratégia passa pela composição da nova cesta básica, conforme divulgou o Ministério de Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome, alterando paradigma anterior de gêneros alimentícios de menor substância.

O salto qualitativo, na oferta dos produtos, é um novo indício do compromisso das autoridades de Brasília com uma vida de melhor qualidade para toda a cidadania, luta incessante desde a subida da rampa pelo chefe de Estado.

Brasileiras e brasileiros passam a consumir itens in natura, superando os chamados “ultraprocessados”, causadores de doenças do coração, diabetes, obesidade, hipertensão e diversos tipos de câncer.

O novo cardápio não substitui a cesta tradicional, pois esta serve de referência para indicadores econômicos como o salário mínimo, mas a mudança na política pública sugere uma mesa farta em qualidade, com a escolha meticulosa.

Feijões e leguminosas; cereais; raízes e tubérculos; legumes e verduras; frutas; castanhas e nozes (oleaginosas); carnes e ovos; leites e queijos; açúcares, sal, óleo e gorduras; café, chá, mate e especiarias compõem a dieta selecionada.

A partir de evidências científicas, agregadas ao sabor da gastronomia nacional, o objetivo é o de evitar doenças e produzir energia para a união e reconstrução do país, graças à força de trabalho de um povo bem nutrido e disposto.

Não basta tirar a nação do Mapa da Fome, para onde foi rebaixada entre 2019 e 2022; a ingestão adequada do prato cheio de nutrientes passa a integrar a meta de alegrar 33 milhões de pessoas em situação de insegurança alimentar.

Publicações relacionadas

MAIS LIDAS