“A regulação da imprensa é uma falsa polêmica”, avalia Ernesto Marques | A TARDE
Atarde > Política

“A regulação da imprensa é uma falsa polêmica”, avalia Ernesto Marques

Presidente da Associação Bahiana de Imprensa reafirma importância de fortalecer a imprensa e a democracia

Publicado segunda-feira, 12 de dezembro de 2022 às 00:00 h | Autor: Osvaldo Lyra
Imagem ilustrativa da imagem “A regulação da imprensa é uma falsa polêmica”, avalia Ernesto Marques
-

O jornalista Ernesto Marques acabou de ser reconduzido para seu segundo mandato à frente da Associação Bahiana de Imprensa (ABI), num processo de mudança geracional que começou lá atrás com os jornalistas Samuel Celestino e Walter Pinheiro, e que tem ganhado força na gestão atual. Nessa entrevista exclusiva ao A TARDE, Ernesto fala da importância de se unir esforços para o fortalecimento da imprensa e da democracia e reforça que “há uma percepção de impunidade da internet que precisa ser combativa”.

Ao ser questionado sobre a proposta do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva, de regular a imprensa, ele dispara: “A regulação da imprensa é uma falsa polêmica”. E completa: “O que está lá dissolvido na proposta não tem nenhum dispositivo que trate sobre controle, censura, que trate sobre nada desse tipo. É uma proposta de regulação econômica das empresas de comunicação, a partir de parâmetros que são bastante conhecidos em democracias muito consolidadas, como Estados Unidos, que desde 1943 proibiram a propriedade cruzada. Ou seja, o mesmo grupo não pode ter rádio, jornal, televisão". Confira:

Ernesto, você acabou de ser reeleito para a presidência da ABI. Que avaliação você faz hoje do trabalho da entidade?

Eu sempre faço sempre questão de dizer que é, na verdade, a continuidade de um processo iniciado bem lá atrás, quando Samuel (Celestino) decidiu passar o bastão para Walter (Pinheiro) e já tinha essa perspectiva de fazer essa transição geracional. Eu posso resumir isso com uma coisa que eu tenho chamado genericamente de projeto ABI 2.0. Faz uma alusão a essa coisa da tecnologia, mas não é pura e simplesmente você passar, incorporar recursos ou rotinas que envolvam o uso de alguma ferramenta tecnológica. É um pouco mais do que isso. Hoje a minha preocupação central se resume em uma palavra: sustentabilidade. Essas entidades como a ABI precisam ser sustentáveis. Elas têm que ser viáveis porque senão não ficam em pé.

A ABI sempre teve uma presença muito marcante na sociedade ao longo desses anos. Como vocês da entidade viram o último resultado do processo eleitoral e a vitória do presidente Lula?

Esse é um dos assuntos que chegou a gerar discussões acaloradas via WhatsApp, no grupo da diretoria. Isso não afetou em hipótese alguma as atividades da ABI. A gente só se pronunciou em situações assim muito limites, como aquela decisão do ministro Alexandre de Moraes que de certa forma afetou a Jovem Pan. E até que foi uma função um tanto controversa, até entre pessoas com as quais eu tenho mais afinidade ideológica, entre a companheirada mais da esquerda.

Porque eu entendi que, a despeito da boa intenção do ministro Alexandre de Moraes, e relevando inclusive, colocando em segundo plano as minhas opiniões pessoais sobre a qualidade do que a Jovem Pan chama de jornalismo, que eu não considero rigorosamente jornalismo, mas eu acho que é um precedente muito perigoso quando você admite que uma autoridade do Judiciário possa ter qualquer tipo de poder de decisão sobre o que pode e o que não pode ser dito no meio de comunicação, qualquer que seja. Então, o processo eleitoral não nos afetou, ficamos concentrados no que une todo mundo, que é a defesa da democracia. Acho que o limite seria esse. E felizmente ninguém ultrapassou.

Apesar de ter alguns diretores que são apoiadores abertos, assumidos do presidente Bolsonaro, não vi pelo menos nenhuma declaração pública de alguém que tenha feito defesa de golpe de estado, ou coisa parecida. Como todo apoiador ou eleitor do presidente que não conseguiu se reeleger, tem uma certa inconformidade, mas faz parte da vida. Assim como todo mundo lamentou a desclassificação brasileira. Ninguém vai na porta do quartel nem aqui nem no Catar para pedir a anulação da partida contra a Croácia.

Muito se fala sobre a possibilidade de o presidente Lula regular a imprensa, isso volta e meia é falado, mas há muita dúvida sobre o que realmente seria essa regulação. Preocupa? É algum tipo de cerceamento à liberdade do trabalho da imprensa?

Não. Em hipótese alguma. O presidente Lula, inclusive, quando foi anunciar os primeiros ministros, dentre eles o governador Rui Costa, ainda não tinha anunciado Margareth, ele fez uma declaração muito contundente para a imprensa, sobre o padrão de relacionamento que ele pretende ter com a imprensa, que não é muito diferente do padrão de relacionamento que ele teve.

Diga o que quiser dizer de Lula, mas eu não tenho registro de nenhuma atitude hostil dele, mesmo quando ele era duramente denunciado, criticado, atacado. Nem mesmo contra as pessoas, acho que Lula sempre teve uma visão muito clara de que o profissional daquele veículo ali, por mais que ele não goste da função daquele veículo, é uma pessoa, é um trabalhador. Com relação ao acesso à informação, ele também foi muito contundente. Então, eu não acredito que ele dê essa tônica. 

Fora isso, em relação à regulação da mídia, eu acho que é uma falsa polêmica. É compreensível que pessoas que não sejam da área, ou que não tenham se preocupado em fazer alguma investigação, uma pesquisa básica... 

O que está lá dissolvido na proposta não tem nenhum dispositivo que trate sobre controle, censura, que trate sobre nada desse tipo. É uma proposta de regulação econômica das empresas de comunicação, a partir de parâmetros que são bastante conhecidos em democracias muito consolidadas, como Estados Unidos, que desde 1943 proibiram a propriedade cruzada. Ou seja, o mesmo grupo não pode ter rádio, jornal, televisão... Veio um pouquinho depois com mais força. A regra é a mesma. Alguns limites que precisam ser dados para que você garanta até a concorrência. É a essência do capitalismo.

Então, eu não acho que isso seja uma prioridade do governo. Eu até gostaria que fosse, mas não vi nenhuma declaração nesse sentido. E se por acaso isso for colocado em discussão, acho que a gente precisa fazer uma discussão aprofundada, séria e desassombrada, porque não vi nessa proposta nada que fragilize a democracia, muito pelo contrário. Por isso, a regulação da imprensa é uma falsa polêmica”.

Bolsonaro sempre teve uma relação muito conflituosa com a imprensa. A derrota dele diminui os ataques e os desrespeitos que estavam acontecendo com a categoria?

Eu não tenho dúvidas. Porque veja, isso não acontecia antes. Com o próprio presidente Michel Temer não tinha esse padrão de conduta. A presidente Dilma muito menos. E olhe que Dilma foi profundamente agredida e desrespeitada como mulher, inclusive. De várias formas. E a gente não via em momento algum esse tipo de agressividade. O ex-presidente Fernando Henrique menos ainda. Pode-se dizer o que quiser do presidente FHC. É aquela história do príncipe, do sociólogo, um cara extremamente elegante. Esse tipo de coisa só tem precedente na ditadura e lá com o general Milton Cruz.

Então, não tenha dúvida de que a partir de 1º de janeiro, a ordem com certeza será respeitar a imprensa como instituição fundamental da democracia, como são os três poderes constituídos. Nós somos essencialmente empresas privadas de comunicação. Mas a gente veste mesmo essa fantasia do quarto poder. E de fato a imprensa tem um poder, isso é inegável. Mas nós não somos um poder constituído. Um poder que se constitui, inclusive, por questões econômicas. E essa dimensão econômica que em qualquer país avançado e com a democracia bastante consolidada, tem regulação. E aqui no Brasil precisa ter também. É uma questão de civilização, de avanço civilizatório. Você não permitir violência.

Como você vê os impactos causados pelas fake news? Você acredita que a sociedade está mais amadurecida com relação à necessidade de não contribuir com essa rede de notícias falsas?

Não. Infelizmente, a gente ainda não viu um avanço nesse sentido. Muito pelo contrário. Todos os sinais nos levam a manter uma preocupação elevada e uma preocupação também em encontrar maneiras da sociedade se proteger. Porque ontem eu estava entrevistando o coronel Marchesini, comandante-geral do Corpo de Bombeiros, e estava lembrando exatamente sobre isso. A gente lembrar daquela brincadeira de mau gosto feita em Itabuna, que gerou cenas de cinema. Todos querendo sair em pânico da cidade de uma vez e tudo engarrafado, naquele desespero, por causa de uma notícia falsa. Coisa parecida aconteceu em Mutuípe. Pessoas que aplicaram golpes aproveitando da solidariedade de quem queria colaborar com as pessoas que estavam perdendo tudo.

Então, infelizmente a gente vê até uma certa avidez de passar adiante conteúdos sem algum tipo de verificação, ou às vezes conteúdos sabidamente falsos.Então, há uma percepção de impunidade da internet que precisa ser combativa. Mas eu não vejo solução para isso com uma visão de curtíssimo prazo. E aí não se vê limite, nem se tem escrúpulo na hora de atacar uma pessoa, na hora de expor a intimidade de alguém, na hora de atacar uma empresa, uma instituição. E, como eu disse, é uma situação preocupante e sem solução de curtíssimo prazo. Mas é uma coisa que nos obriga um combate permanente.

A ABI é uma entidade que reúne jornalistas e empresários da comunicação. Como você avalia o mercado da comunicação local? Quais os maiores gargalos? Falta de vagas, baixas remunerações, falta de incentivo para o empresariado?

Veja, eu sempre digo que a gente tem uma desproporção entre o talento, a capacidade empreendedora tanto dos profissionais quanto dos empresários executivos. Tanto que a gente sempre está exportando gente. Tanto empresários, quanto profissionais criativos. Agora tem uma produção também muito maior com tanta faculdade de comunicação. Está diminuindo o número de cursos, mas ainda são muitos, continuam formando pessoas. Tem um espaço muito promissor no mercado. É preciso fazer uma aproximação com o Sinapro e com o sindicato das empresas de rádio e televisão, e também com o Sinjorba, mas ainda há outras instituições do segmento da propaganda que precisam estar unidos. 

Então, a gente está deixando que a condição de melhoria se crie em função das decisões da macroeconomia ou das decisões de comunicação de governo. Mas acho que tem outra parte que poderia contribuir para melhorar esse ecossistema para a atuação de todos nós compreendendo comunicação e cultura no espectro mais amplo.

Eu acho que a gente poderia contribuir para melhorar esse ecossistema se a gente tivesse capacidade de buscar o que nos unifica. E defender algumas questões que afetam a gente como tributos, acesso a financiamentos, oportunidade da criação de... A exemplo da área de tecnologia com as incubadoras. E várias coisas que a gente poderia pensar juntos, e eu acho que todo mundo sai ganhando. A gente faz sempre esse discurso de ir devagarzinho, conseguindo ampliar o diálogo com algumas entidades. Mas acredito que ainda é muito pouco.

Foi uma luta a ABI conseguir recuperar o controle da casa de Ruy Barbosa, e vem aí o museu de Ruy Barbosa  com a curadoria de Gringo Cardia. O que esperar desse novo projeto da ABI, Ernesto?

Eu acho que o que está em vista é uma coisa muito boa. Porque não é só reabrir um museu repaginado. Também é uma ação que envolve prefeitura, envolve o governo do estado, envolve um conjunto de entidades que se mobilizaram para não deixar o centenário da mostra passar em branco e que vai somar muito para revitalizar um pedaço do setor da cidade, porque não é só abrir o museu e esquecer lá novamente. É ter um projeto consistente, ver a ocupação de uso desse museu e de ocupação do seu entorno. Esse que é o grande barato dessa história.

O projeto que o Gringo concedeu é um projeto de um museu muito interativo, como são os museus que ele trabalha, mas tem um componente que acrescenta um caráter de utilidade mesmo. Porque um museu voltado para as juventudes. Para as juventudes. Então, eu destaco o que eu achei uma coisa muito interessante, que é a previsão de instalação de dois estúdios de podcasts, para que estudantes, escolas, grupos de jovens tenham aquilo ali como ponto de apoio para reflexão crítica, como foi Ruy Barbosa como jovem, como adulto, como político... Mas sempre refletindo a partir de questões que estão no dever da gente. Os pensamentos de ação de Ruy Barbosa estão aqui agora nessa crise toda que o país está atravessando. Militares na política, o papel das cortes superiores, da liberdade de imprensa, fake news. Tudo isso está na obra de Ruy.

Então, é um museu pensado para isso. Para ser muito dinâmico, para ser muito vivo, e para ser um polo que ajude o entorno a se manter também vivo, para daqui a pouco poder falar em revitalizar a rua Ruy Barbosa. Isso vai acontecer com o esforço articulado entre prefeitura e governo do estado, atendendo a essa provocação da ABI, mas é fundamental manter o espaço vivo ocupado por feiras, por eventos funcionado no próprio museu e no seu entorno. Eu estou muito entusiasmado. Agora é um projeto que a gente vai ter que captar entre R$7 e R$8 milhões, não é fácil, mas a gente tem isso também com um alento para a virada a partir de primeiro de janeiro, e uma compreensão que se espera com certeza muito mais interessante, mais ampla, mais avançada sobre o papel da cultura no desenvolvimento. Estamos bastante otimistas. 

Publicações relacionadas

MAIS LIDAS