Após novo reajuste, Lira pede renúncia de presidente da Petrobras

Parlamentar disse que o líder da estatal trabalha contra o Brasil.

Publicado sexta-feira, 17 de junho de 2022 às 14:32 h | Atualizado em 17/06/2022, 14:50 | Autor: Da Redação
Lira também afirmou que José Mauro só representa a si mesmo e que suas ações vão destruir a empresa
Lira também afirmou que José Mauro só representa a si mesmo e que suas ações vão destruir a empresa -

Após o anúncio, nesta sexta-feira, 17, de que o preço dos combustíveis será reajustado, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), pediu a renúncia do presidente da Petrobras, José Mauro Ferreira Coelho. O político disse ainda que o líder da estatal trabalha contra o Brasil.

"O presidente da Petrobras tem que renunciar imediatamente. Não por vontade pessoal minha, mas porque não representa o acionista majoritário da empresa —o Brasil— e, pior, trabalha sistematicamente contra o povo brasileiro na pior crise do país", publicou ele no Twitter.

Lira também afirmou que José Mauro só representa a si mesmo e que suas ações vão destruir a empresa. "Saia! Pois sua gestão é um ato de terrorismo corporativo", completou.

O presidente Jair Bolsonaro (PL) também teceu críticas à Petrobras e disse que a empresa "pode mergulhar o Brasil num caos".

"O governo federal como acionista é contra qualquer reajuste nos combustíveis, não só pelo exagerado lucro da Petrobras em plena crise mundial, bem como pelo interesse público previsto na Lei das Estatais", escreveu Bolsonaro nas suas redes sociais.

"A Petrobras pode mergulhar o Brasil num caos. Seu presidente, diretores e conselheiros bem sabem o que aconteceu com a greve dos caminhoneiros em 2018, e as consequências nefastas para a economia do Brasil e a vida do nosso povo", concluiu.

A Petrobras anunciou nesta sexta-feira, 17, um aumento de 5,2% no preço da gasolina e de 14,2% no preço do diesel. Com isso, de acordo com a estatal, o preço médio da gasolina em suas refinarias passará de R$ 3,86 para R$ 4,06 por litro. O produto estava há 99 dias sem aumentos.

Por sua vez, o preço do diesel passará de R$ 4,91 para R$ 5,61 por litro. O último ajuste ocorreu há 39 dias. O reajuste ocorre após a Petrobras decidir pela medida em uma reunião extraordinária do seu Conselho de Administração, realizada na quinta-feira, 16.

Integrantes do governo do presidente Jair Bolsonaro (PL), como o ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, além do presidente da Câmara, Arthur Lira, pressionaram para que a estatal recuasse da decisão.

Após o anúncio da alta, as ações da Petrobras sofreram queda na Ibovespa. A PETR3 chegou a recuar 7,9% e foi vendida a R$ 29,72 pouco depois das 12h. Por volta das 13h, o PETR4 sofria queda de 8,80% e era vendido a R$ 26,53.

Publicações relacionadas