PT baiano promoverá encontros territoriais para discutir eleição

No total, serão realizados 12 encontros territoriais, o primeiro deles em Lauro de Freitas, em 15 de janeiro

Publicado quinta-feira, 06 de janeiro de 2022 às 20:08 h | Atualizado em 06/01/2022, 20:09 | Autor: Da Redação

O PT iniciará no dia 15 janeiro uma série de encontros para organizar a militância e estabelecer as diretrizes de um programa de governo, com vistas à eleição de outubro.

No total, serão realizados 12 encontros territoriais, o primeiro deles em Lauro de Freitas, na Região Metropolitana de Salvador. Até o dia 20 de fevereiro, haverá encontros em Alagoinhas, Conceição do Coité, Feira de Santana, Juazeiro, Senhor do Bonfim, Ibotirama, Seabra, Vitória da Conquista, Amargosa, Itamarajú e Itabuna. Em cada uma dessas ocasiões, estarão reunidos dirigentes partidários, parlamentares e prefeitos.

O presidente do PT baiano, Éden Valadares, diz que os encontros são organizados desde o final do ano passado, quando começou a mobilização dos membros do partido e da militância. “Vamos debater os novos saltos que a Bahia pode dar e vamos falar também sobre os grandes avanços que tivemos nas gestões de Jaques Wagner e Rui Costa. Nesses quase 16 anos, o estado experimentou uma nova forma de fazer política, com muito diálogo e democracia, além das grandes obras, da inclusão social e melhoria da qualidade de vida do povo”, afirma o dirigente. 

Vice-presidente estadual do PT e coordenadora do Núcleo de Estudos de Políticas Públicas (NEPP), Luciana Mandelli diz que a expectativa é organizar a militância para o enfrentamento teórico e político. “O NEPP tem avaliado a condição da qualidade de vida da classe trabalhadora. Temos identificado o impacto dos cortes que o governo federal promoveu nas políticas públicas em todas as áreas, sobretudo também temos avaliado o avanço que os governos do PT trouxeram para a Bahia e as perspectivas de um Estado que invista nas prioridades sociais, como saúde e educação, que promova o desenvolvimento econômico, amplie direitos e a qualidade de vida das pessoas”, afirma.

Publicações relacionadas