"Bolsonaro acuado" e "defesa da democracia"; parlamentares participam de ato no Campo Grande

Publicado terça-feira, 07 de setembro de 2021 às 11:15 h | Atualizado em 07/09/2021, 11:42 | Autor: Daniel Genonadio e Fernando Valverde

Salvador conta na manhã desta terça-feira, 7, feriado da Independência do Brasil, com duas manifestações distintas. Na Barra, bolsonaristas tem como bandeira atos antidemocráticos, como intervenção militar e saída de membros do STF. Já no Campo Grande, há uma resposta, composta por grupos sociais e de oposição ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

>> Manifestantes se reúnem no Campo Grande em ato contra o governo Bolsonaro

Para a deputada federal Alice Portugal (PCdoB), as pautas defendidas por Bolsonaro e a convocação de apoiadores às ruas, nada mais é que uma cartada de um presidente acuado por investigações a ele, seus familiares e apoiadores.

"São muitos anos de grito dos excluídos e vamos seguir nosso ritmo normal de levantar as bandeiras do nosso povo. Infelizmente, Bolsonaro chama as manifestações inconstitiucionais, com busca de rompimento democrático e perseguição a ministros e parlamentares. Isso tudo para tentar atacar a verdade que a CPI (da Pandemia) não esconde. A verdade é que está encurralado e isolado como mostram as pesquisas e por isso tenta se defender atacando", disse a parlamentar.

Na manifestação que acontece no Campo Grande, também é possível ver cartazes com palavras de ordem que pedem a saída do presidente Jair Bolsonaro e do seu vice, o general Hamilton Mourão. A causa também é defendida pelo deputado estadual Hilton Coelho (PSOL).

"O 7 de setembro já foi ressignificado pelo nosso povo através do grito dos excluídos. E nesse momento em que a democracia, as perspectivas de se ter um endurecimento do poder central do nosso país aparece como uma ameaça feita pelo próprio presidente da república, é muito importante nós estarmos aqui para dizer que nós não vamos deixar de defender a democracia e os direitos de nosso povo em um novo processo de defesa do Fora Bolsonaro e Mourão", falou.

O deputado estadual Robinson Almeida foi um dos representantes do PT na manifestação. "Esse ano a questão central é a democracia. Temos uma ameaça pelo presidente da República e seus seguidores às instituições democráticas. E o preço da liberdade e da democracia é a eterna vigilãncia. O país não precisa de ameaças e sim de geração de empregos, combate a inflação, controle da pandemia. Essa deveria ser a pauta e não as cortinas de fumaça que o presidente faz todo dia para desviar do foco do que o Brasil precisa hoje". disse ele. 

Publicações relacionadas