Bolsonaro prega afinação com PL e critica Alcolumbre por ingratidão

Publicado quinta-feira, 25 de novembro de 2021 às 11:55 h | Atualizado em 25/11/2021, 11:58 | Autor: Luiz Felipe Fernandez

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) admitiu nesta quinta-feira, 26, que já aparou as arestas com o presidente do PL, Valdemar Costa Neto, e disse que agora estão os dois "afinados" para se preparar para a campanha de 2022. A filiação de Bolsonaro à legenda está marcada para o próximo dia 30.

Em entrevista à rádio Sociedade FM, da Bahia, Bolsonaro comentou as conversas sobre as alianças estaduais que o partido pode fazer, para conciliar os desejos do presidente. Na Bahia e em São Paulo, por exemplo, ele pode ter candidaturas para chamar de suas, respectivamente, como dos seus ministros João Roma (Cidadania), que estava ao lado dele na entrevista mais cedo, e Tarcísio de Freitas (Infraestrutura).

"Foi discutido sim com Valdemar Costa Neto, com o próprio Tarcísio, essa possibilidade, assim como temos possibilidade na Bahia e outros estados. Como não temos para todos, buscaremos uma maneira possível de fazer coligações com nomes que interessem para cada estado [...] conversei com Valdemar do PL e acertamos os ponteiros, estamos bem afinados para começar a falar de política no ano que vem", declarou.

Posteriormente, Bolsonaro disse aos seus eleitores "conservadores" e de "direita", que essas alianças não incluem nenhum tipo de aproximação com "partidos de esquerda", e que essa foi uma imposição feita ao líder do PL, condenado no "Mensalão".

"Foi acertado que não haverá qualquer coligação com partidos de esquerda nesses estados, isso está acertado. A grande maioria da população é conservadora, cristão, que respeita a família, não aceita a ideologia de gênero", justificou.

Mendonça no STF

O chefe do Palácio do Planalto não esconde a insatisfação com o presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), o senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), pela demora em pautar a sabatina do ex-AGU André Mendonça para a cadeira no Supremo Tribunal Federal (STF).

Bolsonaro lembrou que sempre agiu em prol dos "interesses" do Amapá, estado de Alcolumbre, inclusive com a ajuda quando houve o apagão em 2020, e que caso o seu ex-ministro "evangélico" não passe na sabatina, ele vai aceitar a derrota.

Nesta quarta-feira, 24, Davi Alcolumbre anunciou que vai pautar a sabatina para a próxima semana.

"André Mendonça tem conhecimento jurídico e também é evangélico, era uma promessa minha de campanha, mas não está lá só por ser evangélico. Tem um conhecimento jurídico enorme, não sei o que se passa pela cabeça de Alcolumbre. Sempre defendi ele nos interesses do seu estado [...] e se, por exemplo, não passar na sabatina, paciência, não posso fazer nada no tocante a isso. Cabe a cada senador votar e pelo que parece agora, marcou na próxima semana. Que ela ocorra e estamos trabalhando o máximo possível", sentenciou.

Publicações relacionadas