Anderson Torres não fará delação premiada, diz advogado | A TARDE
Atarde > política > Brasil

Anderson Torres não fará delação premiada, diz advogado

O ex-secretário de Segurança do DF foi libertado nesta quinta com tornozeleira eletrônica

Publicado sexta-feira, 12 de maio de 2023 às 13:10 h | Autor: ´Da Redação
Anderson Torres foi libertado nesta quinta pelo STF, sob a condição de usar tornozeleira eletrônica
Anderson Torres foi libertado nesta quinta pelo STF, sob a condição de usar tornozeleira eletrônica -

Anderson Torres, acusado de omissão e conivência nos atos golpistas de 8 de janeiro, não fará delação premiada, de acordo com o seu advogado, Eumar Novacki. O ex-secretário da Segurança Pública do Distrito Federal estava preso há quase quatro meses e foi libertado nesta quinta-feira, 11, em Brasília, sob condição de uso de tornozeleira eletrônica.

De acordo com o portal Metrópoles, Novacki relatou que Anderson Torres está medicado em casa para “recuperar o equilíbrio psíquico, ajudar a defesa e manter o espírito”.

O advogado de Torres também afirmou que o seu cliente entregou as senhas do celular à Polícia Federal (PF), como pedido pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Os investigadores não teriam conseguido o acesso porque as senhas estariam erradas. No entanto, Novacki negou que isso tenha ocorrido. Segundo ele, houve uma “falha técnica”.

Conforme decisão do ministro Alexandre de Moraes, do STF, Torres também está proibido de deixar o DF, de manter contato com os demais investigados; de usar redes sociais; e ficou determinado o afastamento do cargo que ocupa da Polícia Federal. O descumprimento de qualquer uma das medidas alternativas implicará na revogação e decretação da prisão.

“As razões para a manutenção da medida cautelar extrema em relação a Anderson Gustavo Torres cessaram, pois a necessária compatibilização entre a Justiça Penal e o direito de liberdade demonstra que a eficácia da prisão preventiva já alcançou sua finalidade, com a efetiva realização de novas diligências policiais, que se encontravam pendentes em 20/4/2023”, alegou Moraes na decisão.

Publicações relacionadas