Câmara de Curitiba cassa mandato de vereador por quebra de decoro

Renato Freitas (PT) foi acusado de de perturbar a prática de culto religioso por entrar em igreja sem autorização

Publicado quarta-feira, 22 de junho de 2022 às 19:39 h | Atualizado em 22/06/2022, 19:39 | Autor: Da Redação
Defesa do vereador Renato Freitas (PT) disse que vai à Justiça recorrer da decisão
Defesa do vereador Renato Freitas (PT) disse que vai à Justiça recorrer da decisão -

A Câmara Municipal de Curitiba (CMC) aprovou pela segunda e última vez, nesta quarta-feira, 22, o projeto de resolução que cassa o mandato do vereador Renato Freitas (PT). A votação terminou em 25 votos contra 5. Com isso, o vereador já perdeu o mandato, e agora só pode contestar a decisão na Justiça. O edil também perde os direitos políticos por oito anos. A defesa de Renato afirma que recorrerá da decisão nos próximos dias por considerá-la ilegal.

O parlamentar virou alvo de um processo administrativo após participar de uma manifestação, em fevereiro, que repudiava o assassinato do congolês Moïse Kabagambe. Freitas era acusado de perturbar a prática de culto religioso e liderar um grupo de manifestantes que teriam entrado sem autorização na Igreja do Rosário, em Curitiba, após uma missa, no início de fevereiro. Na ocasião, Freitas disse que o ato foi pacífico: "Não atrapalhamos nenhuma missa", afirmou.

Renato Freitas tem 37 anos e estava em seu primeiro mandato. Eleito com 5.097 votos, o professor universitário e advogado ocupava a posição de Líder da Oposição na câmara.

A partir da cassação, a CMC informou que iniciará o processo de publicação do projeto que efetiva a perda de mandato de Freitas, ao mesmo tempo em que realizará o processo de convocação da primeira suplente pelo PT, Ana Júlia, de 21 anos. Nas últimas eleições, ela recebeu 4.538 votos.

Publicações relacionadas