Em reunião, Conselho da Petrobras decide manter política de preços

O colegiado determinou que a cada 3 meses a diretoria da estatal reporte “a evolução dos preços praticados” e a participação da Petrobras no mercado

Publicado quarta-feira, 27 de julho de 2022 às 15:50 h | Atualizado em 27/07/2022, 16:02 | Autor: Da Redação
A decisão contraria a vontade do governo Bolsonaro, que quer transferir a execução da política de preços para o conselho de administração
A decisão contraria a vontade do governo Bolsonaro, que quer transferir a execução da política de preços para o conselho de administração -

Em reunião realizada nesta quarta-feira, 27, o Conselho de Administração da Petrobras decidiu manter sob responsabilidade da diretoria executiva da estatal as decisões sobre a política de preços de combustíveis. Havia uma possibilidade de alteração no processo, que poderia passar a ser definido pelo próprio corpo de conselheiros. Há, contudo, um “filtro” a mais nessa decisão.

A nova diretriz de formação de preços no mercado interno determina que a diretoria da estatal reporte, a cada 3 meses, “a evolução dos preços praticados” e a participação da Petrobras no mercado. Isso vale para o diesel, a gasolina e o gás de cozinha.

"Os procedimentos relacionados à execução da política de preço, tais como, a periodicidade dos ajustes dos preços dos produtos, os percentuais e valores de tais ajustes, a conveniência e oportunidade em relação à decisão dos ajustes dos preços permanecem sob a competência da Diretoria Executiva", diz trecho de comunicado sobre a decisão.

A política de preço de paridade de importação (PPI), praticada pela Petrobras desde 2016, permanece como é destaco em outra parte do comunicado. “Vale destacar que a referida aprovação não implica em mudança das atuais políticas de preço no mercado interno, alinhadas aos preços internacionais, e tampouco no Estatuto Social da Companhia”.

A decisão contraria a vontade do governo Bolsonaro, que quer transferir a execução da política de preços para o conselho de administração. Hoje, quem decide sobre o valor e a frequência dos reajustes é um comitê, formado pelo presidente e diretores da Petrobras.

Publicações relacionadas