PF volta a buscar ligação de Adélio Bispo com PCC

A retomada da hipótese ocorre em meio às várias mudanças na direção do órgão

Publicado quarta-feira, 27 de julho de 2022 às 08:35 h | Atualizado em 27/07/2022, 10:03 | Autor: Da Redação
Conclusões anteriores da PF foram de que Adélio Bispo agiu sozinho no ataque contra Bolsonaro
Conclusões anteriores da PF foram de que Adélio Bispo agiu sozinho no ataque contra Bolsonaro -

A Polícia Federal voltou a considerar, a partir da reabertura das investigações sobre a facada contra o presidente Jair Bolsonaro (PL), a hipótese de relação entre Adélio Bispo, autor do atentado, e a facção criminosa Primeiro Comando da Capital, o PCC. A informação é do colunista Rodrigo Rangel, do site Metrópoles.

Segundo a publicação, a linha de investigação se encaixa com os anseios do próprio Bolsonaro, que nunca se satisfez com as conclusões anteriores. A retomada da hipótese ocorre em meio às várias mudanças na direção da PF, ocorridas após o presidente dizer que a corporação não poderia agir contra seus interesses.

Em dois relatórios, o delegado Rodrigo Morais Fernandes, responsável pelo caso até o ano passado, concluiu que Adélio agiu sozinho no dia do atentado. Ano passado, ele foi nomeado pelo então diretor-geral da PF, Paulo Maiurino, para passar uma temporada de dois anos em Nova York, representando o Brasil em uma força-tarefa do governo americano dedicada ao combate a crimes financeiros.

Por sua vez, uma decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) autorizou que a PF vasculhasse os telefones celulares apreendidos com os advogados que assumiram a defesa de Adélio Bispo, o que não podia acontecer até então devido a uma liminar obtida pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). O pedido foi feito pelo advogado de Bolsonaro, Frederick Wassef. Com a decisão, a apuração foi reaberta pela PF e outro delegado, Martin Bottaro Purper, foi escolhido para tocar o caso.

Publicações relacionadas