Governo Bolsonaro alterou mais de 20 delegados da cúpula da PF nos últimos 3 anos

Publicado sexta-feira, 03 de dezembro de 2021 às 09:31 h | Atualizado em 03/12/2021, 09:33 | Autor: Da Redação

A saída da delegada Dominique de Castro Oliveira da Interpol é a 20ª alteração da cúpula da Polícia Federal (PF) durante o governo Bolsonaro. As informações são do Estadão. As alterações tem sido realizadas em meio à investigação no Supremo Tribunal Federal (STF). de interferência do presidente Jair Bolsonaro (PL) na força de segurança.

“Fiz algum comentário que contrariou. Qual foi, quando, para quem, em que contexto e ambiente, não sei”, disse Dominique, em mensagem encaminhada aos colegas e reportada pelo Estadão.

Há 16 meses na PF, em cargo de indicação, Oliveira criticava o atual delegado-geral Paulo Maiurino e assinou a carta pública a favor do delegado Felipe Barros Leal, afastado do inquérito que investiga Bolsonaro. Oliveira também atuou no pedido de extradição do Allan dos Santos, blogueiro aliado do presidente.

O antigo chefe da área de combate a corrupção e lavagem de dinheiro na PF, Thiago Delabarry, também deixou o posto com a chegada de Maiurino na Diretoria-Geral da PF. Em julho deste ano, a Superintendência da PF no Rio Grande do Sul indicou Delabarry para o comando da delegacia. Dois meses depois, o nome foi vetado.

Na gestão de Thiago, o delegado Bernardo Guidale atuou no acordo de delação premiada do ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, que havia citado Dias Toffoli, ministro do STF, e Humberto Martins, o presidente do STJ. Maiurino foi segurança de Toffoli, ministro que se aproximou do governo Bolsonaro. Em seguida, de acordo com o Estadão, Guidali também perdeu o cargo.

Questionada sobre o caso, a PF declarou, em nota ao Estadão, que “as movimentações de servidores dentro da instituição é regular e faz parte dos mecanismos de gestão administrativa, não havendo outras razões que não a de ordem técnica para melhor atender as finalidades institucionais”. 

Publicações relacionadas