Indicação de Bolsonaro ao STF, Nunes Marques tem atuado alinhado com interesses do Palácio do Planalto

Publicado terça-feira, 22 de dezembro de 2020 às 16:06 h | Atualizado em 22/12/2020, 16:26 | Autor: Da redação

O ministro Kassio Nunes Marques, nome indicado por Bolsonaro ao Supremo Tribunal Federal (STF), tem tomado decisões individuais alinhadas aos interesses do Palácio do Planalto em quase um mês e meio de atuação na Corte. 

Nunes Marques impôs derrotas à Lava Jato, votou contra a reeleição de Rodrigo Maia (DEM-RJ) à presidência da Câmara, beneficiou candidatos fichas sujas e ficou isolado no plenário da Corte ao colocar uma série de empecilhos para a vacinação obrigatória contra o novo coronavírus no País.

O ministro defendeu até mesmo a validade de um decreto, editado pelo governo Bolsonaro, que incentiva a separação de alunos com deficiência. O texto foi considerado um “retrocesso” por entidades de ensino. 

“Ele não tem no nome o patronímico Bolsonaro. Quem ocupa cadeira do STF não está atrelado a nenhum governo, por mais liberal, autoritário e forte que seja o governo. A cadeira é vitalícia para atuarmos com independência absoluta. A cadeira é muito maior do que aquele que a ocupa”, disse ao jornal o atual decano do STF, ministro Marco Aurélio Mello.

O alinhamento de Nunes Marques ao Palácio do Planalto ficou evidente na semana passada, durante julgamento que discutia a possibilidade de sanções, por parte de Estados e municípios, a quem recusar a vacina contra a covid-19. Bolsonaro já disse que é contra a vacinação obrigatória e que não pretende ser imunizado. As informações são do jornal O Estado de São Paulo. 

Publicações relacionadas