Lídice comemora chegada de Freixo e Dino ao PSB: 'Grandes reforços na luta contra o retrocesso'

Publicado sexta-feira, 18 de junho de 2021 às 12:30 h | Atualizado em 18/06/2021, 20:30 | Autor: Redação

 
A deputada federal e presidente do PSB na Bahia, Lídice da Mata, comemorou a migração do deputado federal do Rio de Janeiro, Marcelo Freixo, e do senador do Maranhão, Flávio Dino, para a legenda.
 
“São dois grandes reforços para a luta contra o fascismo e os retrocessos no Brasil. Flávio Dino é um governador muito bem avaliado e que tem um protagonismo nacional, assim como o deputado Freixo, que é um grande quadro da política brasileira. Ambos representam muito bem as nossas bandeiras”, disse Lídice em postagem em uma rede social.
 
Após 16 anos no PSOL, Freixo deixou o partido de olho em uma frente ampla para levar seu nome ao governo carioca e derrotar o presidente Jair Bolsonaro (Sem Partido) nas eleições de 2022. Mesmo pensamento de Flávio Dino, que deixou o PCdoB para se filiar a uma legenda maior já que com as mudanças na legislação eleitoral os partidos pequenos terão menos recursos e exposição na mídia.
 
O governador do Maranhão ressaltou em entrevista recente que além da mudança na regra eleitoral, que pode levar à fusão do PCdoB e PSB - algo que Dino articula há pelo menos dois anos - ele acredita que o seu novo partido é capaz de unir diferentes espectros políticos em um grupo capaz de derrotar Bolsonaro. 
 
Ele admitiu que acha "bem difícil" que um nome do centro encontre espaço na polarização entre Lula e Jair Bolsonaro em 2022. No entanto, ele diz que torce para que esta falada "terceira via" consiga se viabilizar.
 
"Considero que o PSB, neste momento, tem condição de ser polo aglutinador de outros partidos para ser frente política capaz de ajudar a derrotar Bolsonaro. Então, em primeiro lugar, tem o vetor legal; em segundo, o vetor político", afirmou.
 
O desembarque de dois dos maiores expoentes da esquerda brasileira na sigla indica que Lula está cada vez mais perto de tê-lo na sua base de apoio.  
 
"O PSB integrou o campo liderado pelo ex-presidente Lula desde 1989. Quando Lula foi candidato a primeira vez, o vice foi indicado pelo PSB, o então senador Bisol. Essa relação vem de longa data. Houve um distanciamento recente, mas acredito que isso já está superado. A minha presença e a do Freixo ajudam na intensificação desse diálogo, porque o ex-presidente Lula é figura imprescindível para o campo da esquerda no Brasil", respondeu.
 
Com o movimento, a probabilidade maior é de que Flávio Dino tenha apoio para disputar o Senado em 2022, conforme o seu próprio desejo, enquanto Freixo conte com a importante força do PT para a disputa pelo governo do Rio de Janeiro - o que não iria encontrar caso permanecesse no PSOL.
 
Segundo Dino, a sua ida e a de Freixo para o PSB é um sinal da "abertura de diálogo a partir da esquerda", para assumir um protagonismo na tão sonhada frente ampla.
 
"Minha ida ao PSB tem esse objetivo, de sinalizar abertura bem ampla de diálogo a partir da esquerda. Uma esquerda que defende sua identidade, suas posições, mas não é fechada para alianças mais ao centro. Pretendo ajudar nessa interlocução. Nosso companheiro Marcelo Freixo tem objetivo de liderar frente forte e ampla para derrotar o bolsonarismo no seu berço, o Rio. Esse fortalecimento do PSB tem incidência no debate nacional e em vários estados", disse.

Publicações relacionadas