Maia diz que votação do adiamento das eleições está ‘bem encaminhada’

Publicado terça-feira, 30 de junho de 2020 às 19:14 h | Atualizado em 30/06/2020, 19:18 | Autor: da redação

O presidente da Câmara de Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse na tarde desta terça-feira, 30, que a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que adia as eleições de outubro para novembro deve ser votada nesta quarta.

“Está avançando para que a gente consiga colocar a matéria em votação amanhã. Acho que está bem encaminhado para que a gente possa ter uma definição sobre esse assunto ainda durante o dia de quarta-feira”, declarou Rodrigo Maia. As informações são do site Poder 360.

A PEC já foi aprovada pelo Senado. Transfere o primeiro-turno para 15 de novembro e o segundo para o dia 29 do mesmo mês. O motivo para a alteração é a pandemia. Existe o temor de que a votação e outros eventos vinculados ao processo eleitoral facilitem a disseminação do coronavírus.

O adiamento das eleições sofreu resistência na Câmara devido à pressão de prefeitos que tentarão se reeleger. Eles levam vantagem se a eleição for mais cedo por serem mais conhecidos do eleitorado que seus adversários.

Além disso, temem que, por causa dos efeitos da pandemia sobre a arrecadação, falte dinheiro para pagar salários. Atrasar vencimentos às vésperas do pleito dificultaria a reeleição.

Agora, líderes acreditam que já há votos suficientes para aprovar a PEC. São necessários ao menos 308, em dois turnos. O que faltava era acordo para colocar o projeto em pauta, que Maia está construindo.

O Poder360 apurou que foi negociado um repasse extra de R$ 5 bilhões a prefeitos, por meio de medida provisória que já tramita, a MP 938 de 2020. Esse dinheiro seria uma espécie de seguro para evitar o atraso nos salários.

Também está sendo negociada a volta do programa partidário obrigatório na TV, bancado com renúncias fiscais e extinto em 2017.

Maia nega que tenha havido negociação de verbas em troca do adiamento das eleições. “Tem uma confusão. A discussão da MP 938 já estava sendo feita independentemente disso”, afirmou.

“Não vejo isso como uma troca. Não sei de onde saiu isso. Acho que é um erro vincular uma coisa à outra“, declarou Rodrigo Maia.

“Tem um debate dos partidos para reestabelecer o tempo de televisão partidária a partir do próximo ano. É um debate que acho que precisa ser feito. Não deve ser vinculado a nenhuma votação de adiamento de votação (eleição). Naturalmente no decorrer dos próximos meses esse debate vai voltar porque é interesse de muitos partidos na Câmara e no Senado”, afirmou o presidente da Câmara.

Também pesa sobre os deputados o fato de Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e Senado terem se manifestado favoravelmente ao adiamento. Caso o pleito não seja adiado e cause um aumento na transmissão do coronavírus, a Câmara arcaria praticamente sozinha com o desgaste político. Ainda, desagrada os deputados a possibilidade de o caso ir parar no Supremo Tribunal Federal (STF).

Publicações relacionadas