Neto critica Bolsonaro por ironizar tortura a Dilma na Ditadura: 'Não é correto'

Publicado quarta-feira, 30 de dezembro de 2020 às 12:17 h | Atualizado em 30/12/2020, 12:20 | Autor: Fernando Valverde

O presidente do DEM e prefeito de Salvador, ACM Neto, saiu em defesa da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) após as declarações onde o presidente Jair Bolsonaro (Sem Partido) ironizou a tortura sofrida pela petista na época da ditadura.

Na última segunda-feira, 28, o chefe do Executivo nacional cobrou que lhe mostrassem um raio X da adversária política para provar uma fratura na mandíbula sofrida na época do regime militar.

Em coletiva de imprensa na manhã desta quarta-feira, 30, Neto fez críticas à gestão Dilma, que segundo ele atrapalhou o seu primeiro mandato, mas rechaçou quaisquer ofensas de cunho pessoal como as feitas por Bolsonaro.

"Muito respeito por todas as pessoas que foram vítimas a tortura. Tenho minhas diferenças com Dilma Rousseff que, atrapalhou o projeto do BRT na condição de presidente, estamos em lado totalmente opostos, acho que ela foi uma péssima presidente do Brasil, não tenho nenhuma saudade, mas não aceito de maneira alguma, não assino embaixo, não concordo com qualquer ofensa pessoal ou qualquer palavra que possa ter relação com o passado da ex-presidente. Não é correto falar do sofrimento que ela estava como torturada, vítima da ditadura, não concordo com isso", afirmou.

Publicações relacionadas