Oposição pede investigação ao STF por fala de Bolsonaro a embaixadores

Presidente voltou a questionar, sem provas, o sistema eleitoral brasileiro e as urnas eletrônicas

Publicado terça-feira, 19 de julho de 2022 às 14:35 h | Atualizado em 19/07/2022, 14:35 | Autor: Da Redação
A petição foi protocolada na Suprema Corte na manhã desta terça-feira
A petição foi protocolada na Suprema Corte na manhã desta terça-feira -

Parlamentares de diversos partidos da oposição pediram que o Supremo Tribunal Federal (STF) investigue os recentes ataques do presidente Jair Bolsonaro (PL) ao sistema eleitoral do país. A petição foi protocolada na Suprema Corte na manhã desta terça-feira, 19.

No documento, deputados do PT, PSol, PCdoB, PDT, Rede, PSB e PV afirmaram que o presidente praticou crimes contra as instituições democráticas, de responsabilidade, além de crime  eleitoral, propaganda eleitoral antecipada e ato de improbidade administrativa.

“O que se viu no delirante e constrangedor discurso dirigido aos convidados presentes à fatídica reunião convocada pelo representado […] foi claramente a prática de um dos chamados crimes de lesa-pátria ou de traição contra seu povo”, afirmaram os políticos na petição.

Na segunda-feira, 18, durante encontro com embaixadores de 40 países, Bolsonaro voltou a questionar, sem provas, o sistema eleitoral brasileiro e as urnas eletrônicas. Por mais de 45 minutos, ele criticou o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e afirmou que o governo irá apresentar uma “saída” para que as eleições deste ano sejam “limpas” e “transparentes”. 

“O risco de rompimento do Estado Democrático de Direito praticada pelo representado é evidente, à medida que usa de seu cargo de Presidente da República para ameaçar o TSE com a restrição indevida em seu trabalho, mediante a ‘persuasão’ imperativa das Forças Armadas, que não tem nenhuma atribuição legal de participação efetiva no processo eleitoral, a não ser o apoio logístico como vem sendo tradicionalmente prestado há muitos anos, levando às urnas para os locais mais distantes no interior do país”, disseram ainda os parlamentares no pedido ao STF.

Publicações relacionadas