adblock ativo

Alianças para o 2º turno começam a ser definidas em Feira e Conquista

Publicado sexta-feira, 20 de novembro de 2020 às 06:06 h | Atualizado em 19/11/2020, 22:07 | Autor: Raul Aguilar
Colbert Martins e Zé Neto disputam o segundo turno em Feira de Santana
Colbert Martins e Zé Neto disputam o segundo turno em Feira de Santana -
adblock ativo

Começam a se definir os apoios para as candidaturas nas cidades de Feira de Santana e Vitória da Conquista, onde ocorrerão segundo turno na Bahia.

Na Princesa do Sertão, onde disputam o candidato do Movimento Democrático Brasileiro (MDB) e atual prefeito de Feira, Colbert Martins, que obteve 38,18% dos votos válidos, e o deputado federal Zé Neto (PT), que alcançou 41,55% nas urnas, o cenário de apoio começou a ficar mais claro a partir desta quinta-feira, 19. Isso porquê o candidato do Podemos, o ex-deputado estadual e radialista, Carlos Geilson promoveu uma coletiva anunciando que estará com Colbert em 2020.

Carlos Geilson obteve 4,40% dos votos válidos em Feira. Apesar de esperado para alguns, o apoio dado a Colbert por Geilson chamou a atenção de parcela de seu eleitorado, já que o radialista havia saído da base de apoio da atual gestão, coordenada em Feira pelo ex-prefeito Zé Ronaldo (DEM), e feito duras críticas ao próprio candidato do MDB durante sua campanha. Geilson estava na base de apoio do governador Rui Costa desde 2018 e chegou a comandar a Ouvidoria-Geral do Estado até junho deste ano.

Ainda nesta quinta, 19, a candidata e presidente do PSL na Bahia, deputada federal Dayanne Pimentel promoveu uma coletiva para declarar que não apoiará nenhuma das candidaturas. No evento, ela fez duras críticas à gestão do atual prefeito da cidade. Pimentel alcançou 4,84% de apoio nas urnas em 2020.

Outro participante do pleito em 2020 a declarar apoio para Colbert foi o deputado estadual e pastor da igreja Universal do Reino de Deus, José de Arimatéia (Republicanos), que obteve nas urnas 4,86% dos votos válidos, sendo o terceiro mais votado no município.

“Diante do nosso plano de governo, avaliamos que está muito próximo do plano de governo que o Colbert apresenta. Nós também observamos que o Colbert é conservador, homem que defende a família. E essa é a linha do nosso partido, de nossa ideologia que nós apresentamos para Feira. E o melhor caminho para Feira é dar continuidade ao trabalho, vamos em frente e vamos à vitória, Arimatéia é 15”, destacou o deputado estadual do Republicanos durante um vídeo de apoio para Martins divulgado em sua rede social.

Já a candidata do PSOL em Feira, Marcela Prest (Psol), que somou 1,66% de apoios eleitorais nas urnas em 2020, realizará uma coletiva virtual no dia 21 de novembro para tratar de um eventual apoio para o segundo turno. Informações de bastidores dão conta que o partido deverá dar o chamado voto crítico para Zé Neto, apoiando sua eleição mas sem fazer parte de seu governo.

O vereador Beto Tourinho (PSB) também declarou, na última segunda-feira,16, durante uma plenária com membros do PSB em Feira, que estarão ao lado de Zé Neto (PT) no segundo turno.

“Quero informar que nós do PSB, que queremos essas mudanças, somos contrário a este grupo que aí está há 20 anos. Por isso, o PSB de Feira de Santana estará no segundo turno apoiando o candidato Zé Neto, do PT. Entendemos que temos que fazer mudanças, que aconteceram inclusive nesta Casa. Os mesmos ventos da mudança que sopraram no legislativo, soprarão no Paço Municipal. E nós faremos parte desta construção por uma Feira de Santana melhor.”, afirmou Tourinho, que obteve 1,93% de votos válidos.

Assim como Dayanne Pimentel (PSL), o candidato Carlos Medeiros (Novo), que somou 2,52% do eleitorado nas urnas, não estará em nenhum dos lados no segundo turno na Princesa do Sertão. Crítico de Colbert Martins (MDB) e do Governador Rui Costa (PT), medeiros usou uma rede social para se manifestar sobre o que classificou de “rateio” da gestão municipal: “as negociatas para ratear a gestão municipal e garantir seus projetos pessoais no poder estão a todo vapor. Teremos longos quatros anos da mesmice em nossa cidade, independente de quem ganhe. É lamentável”.

Vitória da Conquista

Um pouco mais incerto, o cenário em Vitória da Conquista ainda se desenha. O candidato do PSL no município, Cabo Herling, que somou 0,67% dos votos válidos, declarou que no segundo turno estará com o jornalista e atual prefeito do município, Herzem Gusmão (MDB), que chegou ao segundo turno com 45,89% dos votos válidos.

Nos bastidores, circulam informação de que os apoiadores do terceiro mais votados nas urnas, o advogado bolsonarista David Salomão (PRTB), que alcançou 3,12% de apoio nas urnas, deverão estar com Gusmão que tenta reeleição, pelo fato dele estar enfrentando um candidato do Partido dos Trabalhadores (PT) na cidade que é conhecida como ‘Suíça Baiana’. Crítico de ambas gestões, Salomão ainda não se manifestou sobre um eventual apoio no segundo turno.

O candidato do Partido Progressista, Romilson Filho (PP), que obteve 1,76% de votos válidos, informou ao A Tarde que estará ao lado do ex-prefeito do município e atual deputado estadual pelo PT, Zé Raimundo (PT), que chegou ao segundo turno liderando o pleito com 47,63% de apoio dos eleitores de Conquista nas urnas.

“O nosso grupo independente formado pelo PP, Pros, Cidadania e Solidariedade, decidiu apoiar o professor José Raimundo. Nós não podemos mais permitir o desatino do senhor prefeito Herzem Gusmão. A nossa cidade é mais importante do que qualquer divergência, temos que olhar para nossa cidade e o professor José Raimundo está mais preparado para governar nossa cidade do que o atual prefeito”, destacou Filho.

A Rede de Sustentabilidade emitiu um comunicado assinado pela candidata do partido no município, Maris Stella, que conseguiu 0,57% de votos válidos em 2020, afirmando que ainda adotará um posicionamento sobre o segundo turno no município.

“A Rede Sustentabilidade entende que o novo cenário político desenhado para o segundo turno demanda reflexão antes de qualquer posicionamento. Informamos que assim que tivermos um posicionamento coletivo faremos um pronunciamento oficial da Rede para a imprensa local”, sinaliza o texto enviado à imprensa.

O Professor Ferdinand (PSOL), que somou 0,37% dos votos válidos em Conquista, realizou uma plenária com membros do partido na noite quinta-feira, 19, mas até o fechamento desta matéria o comunicado sobre uma eventual decisão para o segundo tunro não havia sido enviado ao A Tarde. Informações de articuladores da legenda dão conta que a sigla deve seguir o modelo de apoio que deverá ser dado em Feira, com o voto crítico.

Cenário acirrado

O cientista político e professor da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab), Cláudio André, avalia que o cenário eleitoral está em aberto e muito acirrado em ambas cidades.

“Existe uma perspectiva ideológica nas duas cidades, de apoio de proximidade com projeto que não é só partidário. As disputas estão muito acirradas, então, a gente está vendo que os dois cenários estão muito apertados do ponto de vista numérico. É necessário perceber que o perfil ideológico nas duas cidades envolve uma pluralização e por isso, os apoios políticos não necessariamente irão se reverter em votos; fatias do eleitorado podem apoiar candidatos independente do apoio dado por uma liderança”, explica André.

O cientista político não descarta que “uma parte pequena do eleitorado de Dayane Pimentel pule” por exemplo. “para o lado de Zé Neto (PT)”. Cláudio avalia que o retorno de Carlos Geilson (Podemos) ao grupo comandando pelo ex-prefeito da cidade, Zé Ronaldo (Dem), poderá ter “impacto” em seu eleitorado. Ele aponta também uma atenção especial para como o bolsonarismo irá se comportar, já que ambas cidades contam com candidatos petistas no pleito e que lideraram o número de voto no primeiro turno.

O professor da Unilab aponta também o papel de embate e protagonismo que o governador da Bahia, Rui Costa (PT), e o prefeito de Salvador, ACM Neto (Dem, irão desempenhar na disputa em ambos cidades.

“Temos dois atores que são fundamentais: ACM Neto e Rui Costa. Eles serão cabos eleitorais fortes, que buscarão estabelecer uma agenda com os candidatos, visando, nessa reta final, se fazerem presentes. Eu vejo também que o início da propaganda eleitoral, na sexta-feira ,20, vai, de alguma forma, colocar em evidência no tempo que eles terão, suas propostas e o ataque direto entre eles. Isso pode se refletir no eleitorado, agora, no geral, eu acho que o cenário está em aberto nas duas cidades”, destacou Cláudio André.

adblock ativo

Publicações relacionadas