TCM suspende licitação em Ibititá após suspeita de fraude | A TARDE
Atarde > portal municípios > Centro Norte Baiano

TCM suspende licitação em Ibititá após suspeita de fraude

Denúncia é sobre processo para contratação de veículos de passeio de médio e grande porte

Publicado segunda-feira, 22 de janeiro de 2024 às 15:23 h | Autor: Da Redação
O órgão enviou notificação à prefeita Nilva Barreto (PSD), para cumprimento da concessão da medida acautelatória, e ainda, para a produção dos esclarecimentos meritórios
O órgão enviou notificação à prefeita Nilva Barreto (PSD), para cumprimento da concessão da medida acautelatória, e ainda, para a produção dos esclarecimentos meritórios -

Após decisão na última sexta-feira, 19, o Tribunal de Contas da Bahia suspendeu um processo licitatório que seria realizado no município de Ibititá, centro-norte da Bahia, nesta segunda-feira, 22, após denúncia sobre um processo para contratação de veículos de passeio de médio e grande porte. A denúncia aponta ainda que empresas não estavam conseguindo acessar os Editais de Licitações do município.

O órgão enviou notificação à prefeita Nilva Barreto (PSD), para cumprimento da concessão da medida acautelatória, e ainda, para a produção dos esclarecimentos meritórios.

“Conforme pode verificar no diário oficial do município de Ibititá, as últimas publicações para pregão estão sendo realizadas na forma eletrônica, causando estranheza a realização sem qualquer justificativa de uma licitação de suma importância às escuras para beneficiar empresa de escolha pessoal da gestora”, cita parte do trecho da denúncia acatada pelo TCM.

De acordo com alguns parlamentares locais, diversos processos estão ocorrendo neste início de ano sem a devida transparência e ampla divulgação, o que teria favorecido empresas ligadas ao grupo da atual prefeita.

As denúncias foram encaminhadas ao Ministério Público e TCM e, caso comprovadas, podem levar à cassação da prefeita Nilva Barreto por crime de improbidade administrativa.

A reportagem procurou a Prefeitura de Ibititá, e ainda aguarda resposta aos questionamentos.

Publicações relacionadas