Diretor fecha três principais setores de hospital em São Sebastião do Passé

Publicado sexta-feira, 26 de novembro de 2021 às 13:24 h | Atualizado em 26/11/2021, 14:02 | Autor: Rodrigo Tardio

Em tempo de pandemia e um hospital com gripario, centro cirúrgico e ala destinada à Covid fechados. Esta é a situação do Hospital Albino Leitão em São Sebastião do Passé.

De acordo com denúncia do vereador Soldado Nailson (Republicanos), o centro cirúrgico da unidade serve atualmente como "almoxarifado". 

"Lá dentro eles escondem equipamentos como uma incubadora que identifiquei ao realizar a fiscalização com muita dificuldade. Eles fizeram isso para cortar custos, diz o vereador.

De acordo com a denúncia, o hospital não consegue atender pacientes que precisam de atendimento de urgência grave, como parto cesarianos, baleados ou cirurgias imediatas.

"Caso uma mulher precise realizar uma cesariana é preciso esperar a regulação para outro local. Já houve casos de mulheres que perderem filhos aqui por conta disso", afirma.

Durante a semana o vereador tentou fiscalizar o hospital no período noturno e encontrou resistência por parte dos seguranças e vigilantes da unidade.

"Tentei exercer um direito constitucional, já que como vereador tenho o direito de fiscalizar um órgão público sem hora ou turno marcados. Houve muita resistência e consegui registrar algumas mazelas sob a pressão dos funcionários da segurança", relembra.

De acordo com Soldado Nailson, o diretor do hospital, Ricardo Figueirêdo, foi nomeado por indicação política

"Ele é presidente do PP de Simões Filho, mesmo partido da prefeita de São Sebastião do Passé, Nilza da Mata, e veio administrar o Hospital Albino Leitão através de um acordo político. Este cidadão não tem o menor vínculo com São Sebastião do Passé.

Publicações relacionadas