Estudantes de Simões Filho acusam secretária de boicotar evento

Alunos chegaram a ocupar sede da Secretaria Municipal de Educação, em busca de "diálogo"

Publicado sexta-feira, 08 de julho de 2022 às 11:08 h | Atualizado em 08/07/2022, 11:08 | Autor: Rodrigo Tardio
Expectativa era que cerca de 1000 estudantes da rede pública municipal participassem do congresso
Expectativa era que cerca de 1000 estudantes da rede pública municipal participassem do congresso -

Integrantes da União Municipal dos Estudantes de Simões Filho (UMES-Simões Filho), acusam a Secretaria de Educação local de "golpe baixo", após a interrupção de um congresso por parte da secretária de Educação, Mariza Pimentel.

Após uma circular, alunos foram informados que as aulas da rede municipal seriam interrompidas por causa de uma "Jornada Pedagógica", o que inviabilizou o evento dos estudantes.

Com o sentimento de revolta, os estudantes ocuparam a Secretaria Municipal de Educação, em busca de resposta, que de acordo com eles, vem "tornando a comunicação inexistente". Os alunos ainda alegam que a UMES-Simões Filho é desde o início" maltratada" e "não ouvida".

A expectativa era que cerca de 1000 estudantes da rede pública municipal participassem do congresso.

"Tomamos a decisão de ocupar a Secretaria de Educação até obtermos o motivo da suspensão das aulas, bem como da suspensão do transporte. Eles não ouvem os estudantes, o que se configura um boicote. Era para ser um dia de discussão salutar e vira um dia de revolta e insatisfação", disse ao Portal A TARDE, um aluno que não quis se identificar.

Publicações relacionadas