Mais de 300 famílias estão sendo beneficiadas com doações no Baixo Sul da Bahia

Publicado segunda-feira, 29 de junho de 2020 às 08:55 h | Atualizado em 29/06/2020, 09:15 | Autor: Da Redação

Mais de 300 famílias de produtores rurais do Baixo Sul beneficiários do Programa de Desenvolvimento e Crescimento Integrado com Sustentabilidade (PDCIS), da Fundação Odebrecht, em uma ação realizada com organizações da sociedade civil parceiras. Realizada com organizações da sociedade civil parceiras, a iniciativa visa diminuir os efeitos da crise econômica causada pela pandemia do novo Coronavírus e apoiar a prevenção da COVID-19 e a segurança alimentar dessas famílias da região.

A responsável por Sustentabilidade, Parcerias & Comunicação na Fundação, Cristiane Nascimento, o apoio faz parte do compromisso do PDCIS e de investidores sociais, a exemplo da Mitsubishi Corporation, com as famílias atendidas pelo programa. “Nosso esforço é uma tentativa de amenizar os impactos dessa pandemia em uma região que já sofre diante de diversas vulnerabilidades sociais. Juntos, podemos ser mais fortes na busca pela superação de desafios que são globais”, afirmou.

Na Casa Familiar Agroflorestal (CFAF), as primeiras doações já foram realizadas, beneficiando 120 estudantes em formação e suas famílias. A Casa Familiar Rural de Presidente Tancredo Neves (CFR-PTN) e Casa Familiar Rural de Igrapiúna (CFR-I) planejam as ações para os meses de julho e agosto. Todos os alunos das Casas Familiares também estão recebendo o vale-alimentação do Governo do Estado da Bahia.

Apoio às comunidades - Além dos beneficiários diretos do programa, diversas comunidades do Baixo Sul da Bahia também estão sendo contempladas com doações das instituições executoras do PDCIS. Em maio, agricultores dos municípios de Igrapiúna e Piraí do Norte atendidos pela Organização de Conservação da Terra (OCT), parceira da Fundação, realizaram a doação de parte de suas produções agrícolas para o Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) de Piraí do Norte. Foram doados 1.300 kg de alimentos como abacate, aipim, banana, palmito, dentre outras frutas e verduras para a população que está na linha de vulnerabilidade por conta da Covid-19.

De acordo com dados do Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (ONU), o número de pessoas que enfrentam insegurança alimentar aguda no mundo pode quase dobrar este ano e passar para 265 milhões, devido às consequências econômicas da COVID-19.

Publicações relacionadas