Hospital da Mulher atende público com dificuldade para engravidar | A TARDE
Atarde > Saúde

Hospital da Mulher atende público com dificuldade para engravidar

Referência na assistência humanizada, a unidade de saúde realizou mais de 22 mil atendimentos

Publicado terça-feira, 26 de março de 2024 às 06:00 h | Autor: Da Redação
Imagem ilustrativa da imagem Hospital da Mulher atende público com dificuldade para engravidar
-

Aos 35 anos, a auxiliar de enfermagem Lívia Santos sonha em gerar o primeiro filho. Casada há oito anos, Lívia conta que, desde 2020, o sonho se tornou pesadelo diante da dificuldade de engravidar de forma natural. “Eu tinha muita vergonha de não conseguir engravidar, não entendia o que estava acontecendo com meu corpo”, lembra. Em 2023, Lívia ouviu falar sobre o Serviço de Reprodução Humana do Hospital da Mulher Maria Luzia Costa dos Santos (HM), unidade da Secretaria da Saúde do Estado (Sesab) localizada em Salvador que atende 100% via Sistema Único de Saúde (SUS).

“No primeiro momento, não acreditei muito, pois essas coisas geralmente são caras e de difícil acesso, mas resolvi procurar e consegui atendimento, junto com meu companheiro”, conta. “Já passamos pela segunda consulta e o médico pediu mais alguns exames para tentar saber a causa da dificuldade de engravidar.”

Ainda pouco conhecido por grande parte da população, o Serviço de Reprodução Humana do Hospital da Mulher é inédito no SUS baiano.

Serviços

No local, casais com dificuldade para engravidar encontram atendimento na área de reprodução humana e conseguem realizar, de forma gratuita, exames e acompanhamento com uma equipe multidisciplinar.

“Nós temos o ambulatório de reprodução que é de média complexidade, ou seja, a paciente vai ter acesso a um médico especialista na área de reprodução humana, o que é extremamente difícil pelo SUS”, afirma a ginecologista especialista em reprodução humana Vanessa Maia. “Aqui, ela pode ser atendida junto com o parceiro. Gostamos de ressaltar que a consulta não é só para a mulher, pois a infertilidade é conjugal e precisamos investigar os dois. A partir disso, pedimos exames e iniciamos essa busca pela causa da infertilidade.”

Entre 2017 e 2024, mais de 22 mil atendimentos foram realizados pelo Serviço de Reprodução Humana do Hospital da Mulher.

Somente nos primeiros meses deste ano, mais de 430 atendimentos ambulatoriais já foram feitos, assegurando assistência a milhares de baianas que têm o sonho de gerar uma criança.

Diretor-geral da unidade referência no atendimento à mulher na Bahia, Marco Antônio Andrade explica que, entre os serviços oferecidos, estão a realização de exames como ultrassons, medição de taxas hormonais, e até procedimentos como a histeroscopia, que proporciona uma visão detalhada do interior do útero.

“Esse acompanhamento interdisciplinar dado aos casais que querem engravidar inclui consultas, diagnóstico e até medicações, visando ao sucesso do processo de reprodução humana no âmbito da média complexidade”, esclarece.

Procedimento

Moradora de Teofilândia, na região norte do Estado, a babá Ariane Sant’Anna, 32 anos, esteve na unidade no último dia 15 para iniciar o acompanhamento. “Há dois anos eu tento engravidar sem sucesso, então resolvi procurar ajuda”, conta.

Para chegar até a primeira consulta com a equipe do Centro de Reprodução Humana do Hospital da Mulher, Ariana precisou passar por uma Unidade Básica de Saúde de Teofilândia e, assim, receber o encaminhamento para a unidade. “Já na primeira consulta, a médica me passou uma série de exames e me explicou todo o processo”, afirma.

Marco Antônio Andrade salienta que a unidade não disponibiliza tratamentos de alta complexidade, como fertilização in vitro e inseminação artificial, mas que o acompanhamento e o tratamento de média complexidade consegue resolver boa parte dos casos.

“Por exemplo, caso a infertilidade seja causada por um mioma, conseguimos fazer essa cirurgia aqui e realizar todo esse acompanhamento”, explica. “Cada caso é um caso e, para a reprodução, existem vários fatores envolvidos. Mas conseguimos chegar ao motivo de a paciente não conseguir engravidar e dar esse direcionamento, tendo bastante sucesso em muitos casos.”.

Publicações relacionadas