Unime e UNEB atendem a pessoas que sofrem de enxaqueca | A TARDE
Atarde > Saúde

Unime e UNEB atendem a pessoas que sofrem de enxaqueca

Projeto conta com uma equipe multidisciplinar

Publicado terça-feira, 04 de junho de 2024 às 05:00 h | Autor: Amanda Souza
Imagem ilustrativa da imagem Unime e UNEB atendem a pessoas que sofrem de enxaqueca
-

A Faculdade Unime Anhanguera de Salvador, em parceria com a Universidade do Estado da Bahia (UNEB), está oferecendo serviço gratuito de atendimento para pessoas que sofrem de enxaqueca. A iniciativa é parte do Projeto de Extensão “Livre da Enxaqueca” e objetiva proporcionar alívio e tratamento para quem lida com a condição debilitante.

Os atendimentos na Unime ocorrem às segundas-feiras, das 14h às 17h30, na Farmácia Universitária da instituição, no Shopping Paralela.

Já na UNEB, os atendimentos são oferecidos às terças e quintas-feiras, das 8h às 17h, na Farmácia Universitária, à Rua Silveira Martins, 2555, Cabula. Para agendar uma consulta, os interessados devem enviar um e-mail para [email protected].

O projeto conta com uma equipe multidisciplinar. Durante esse período, são realizadas triagens pelos professores do curso de Farmácia, farmacêuticos voluntários e alunos.

Ana Patrícia Queiroz, coordenadora do curso de Farmácia da Unime Anhanguera e responsável pelo projeto, explica que essa iniciativa surgiu em 2012 de uma necessidade de estudo por parte dos professores do curso de Farmácia, e segue até hoje.

Interdisciplinar

“O que a gente queria era melhorar os resultados do uso de medicamentos nessa população com enxaqueca. E à medida que a gente foi recebendo os pacientes, a gente verificou que essas pessoas possuíam uma série de necessidades em saúde que precisavam ser satisfeitas, não apenas as necessidades relacionadas ao uso de medicamentos. Daí o projeto ganhou essa dimensão e acabou se tornando um projeto interdisciplinar”, contou.

Todas as atividades são supervisionadas por professores e profissionais experientes. A presença desses professores garante a qualidade e a segurança dos serviços prestados”, completou.

Todas as pessoas da comunidade podem ser atendidas pelo serviço, só precisam ter idade superior a 18 anos e estar em vigência de dor de cabeça, além de garantir a marcação da consulta por meio do e-mail. “Os atendimentos acontecem durante cada semestre eletivo. Agora a gente está finalizando o semestre eletivo, então a partir de agosto a gente começa a atender novos paciente”, esclarece Ana Patrícia.

Publicações relacionadas

MAIS LIDAS