Uso correto do celular pode evitar acidentes, garantem especialistas

Especialistas orientam que o uso do carregador e do celular deve ser feito de acordo com as orientações do fabricante

Publicado quinta-feira, 07 de julho de 2022 às 06:10 h | Atualizado em 06/07/2022, 23:12 | Autor: Iamany Santos*
Não é indicado usar o aparelho enquanto ele estiver sendo recarregado na tomada
Não é indicado usar o aparelho enquanto ele estiver sendo recarregado na tomada -

Enquanto um dispositivo essencial para o dia a dia, o uso dos celulares aumentou e o uso correto desses aparelhos pode ajudar a prevenir acidentes graves, como incêndios. Descuidos como deixar o celular carregando por muito tempo ou em locais inadequados como na cama ou no sofá são elementos que podem contribuir para que um acidente aconteça. Especialistas orientam que o uso do carregador e do celular deve ser feito de acordo com as orientações do fabricante e alertam para os cuidados que devem ser tomados para evitar acidentes.

O recente caso de incêndio no Rio Vermelho reacendeu essa discussão e, apesar da perícia ainda não ter sido concluída e provado a relação do incidente ao celular, o caso alerta para a importância dessa questão. Histórias sobre celulares que “explodem” ou de carregadores que pegam fogo são contadas há anos, mas os detalhes sobre a verdadeira possibilidade disto acontecer não são claros.

Segundo Roberto Lobo, técnico em eletrônica e especialista em telefones celulares, o que acontece não é de fato uma explosão. “O que acontece é que a bateria incha e, a partir disso, um vapor de gás tóxico se espalha e em contato com a eletricidade produz uma centelha resultando no fogo”, explica Roberto. Ele também pontua que hoje a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) é a responsável pelo controle de qualidade de todos os produtos de telecomunicação que chegam ao Brasil. 

Fiscalização

Dentre os  produtos que passam pela fiscalização do órgão estão os carregadores de celular, as baterias, modens, antenas e outros tipos de dispositivos que estão ligados à telecomunicação. Porém, com a grande demanda que existe atualmente para esse tipo de aparelho, há muitos produtos que são comercializados sem o selo de qualidade da Anatel. 

“Um produto genérico não passou pelos testes de controle, por isso mandam carga excessivas às baterias e isso causa o inchaço, o que, por sua vez, pode causar a dispersão do gás tóxico e inflamável, gerando uma combustão”, diz Roberto 

A Anatel realiza testes para eliminar fatores de risco como a exposição a campos eletromagnéticos – que deve estar dentro dos limites determinados pela Organização Mundial de Saúde –, as chances do aparelho causar choques elétricos ou explodir durante o uso e a construção do aparelho. 

“Evite utilizar o aparelho enquanto está conectado à rede elétrica. Caso precise, o melhor é desconectar e usar”, orienta Roberto.

Mais cuidados

O tenente do Corpo de Bombeiros, Gilvã Rodrigues, diz que acidentes decorrentes de aparelhos celulares têm sido mais frequentes e que a prevenção é a melhor saída. “A revisão da instalação elétrica é parte de uma cultura de prevenção que nós não temos. É importante que isso seja incorporado porque a parte da prevenção pode parecer a mais cara, mas é a parte mais barata”, alerta Gilvã.

A checagem e a manutenção da rede elétrica nas casas também é uma forma de evitar esses tipos de acidentes. A Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade (Abracopel), através do Anuário Estatístico de Acidentes de Origem Elétrica, demonstrou que 637 incêndios por sobrecarga elétrica aconteceram no país em 2021, a maioria em residência familiar e os eletrodomésticos fazem parte da lista de origens destes incêndios. 

*Sob a supervisão do editor Rafael Tiago Nunes

Publicações relacionadas