Menu
Pesquisa
Pesquisa
Busca interna do iBahia
HOME > a tarde + > CINEINSITE
Ouvir Compartilhar no Whatsapp Compartilhar no Facebook Compartilhar no X Compartilhar no Email
21/06/2024 às 9:00 - há XX semanas | Autor: Edvaldo Sales

TEMA DE SÉRIE

Sumiço de Priscila Belfort foi “um fracasso policial”, diz diretor

Mistério vai ser abordado na série documental "Volta Priscila" do Disney+

Priscila Belfort desapareceu em 2004, no Rio de Janeiro
Priscila Belfort desapareceu em 2004, no Rio de Janeiro -

“História de um fracasso policial”. É assim que o diretor Eduardo Rajabally (“Amazônia Desconhecida”) define o desaparecimento da irmã do lutador de MMA, Vitor Belfort, Priscila Belfort. “Volta Priscila”, uma série documental de quatro episódios sobre o caso, está sendo produzida pelo Disney+, que fez anúncio em evento realizado no Rio, no início de junho, com a presença dos diretores da produção e de Jovita Belfort, mãe de Priscila e de Vitor.

>>> Com Xuxa e mais: conheça as novas séries brasileiras do Disney+

Em entrevista exclusiva ao Cineinsite A TARDE, Rajabally disse que a série se trata de um true crime diferente “porque é uma história sobre uma ausência”. “O caso não acabou, não foi concluído. Não tem culpado, não teve julgamento, não teve uma cena do crime, não tem um corpo, não se sabe o que aconteceu com a Priscila. A mãe da Priscila não sabe o que aconteceu com ela 20 anos depois”, enfatizou.

Para o diretor, o caso é a história de “um fracasso policial” porque, mesmo depois de 20 anos, ainda não há respostas concretas. “É uma história em aberto, é uma ferida para família que não fecha nunca porque a história não acaba. Quando a pessoa morre tem como enterrar ela, você fica de luto e aprende a conviver com aquilo, mas quando a pessoa desaparece é como se a história não tivesse acabado. Então, todo dia é a mesma dor, é isso que Jovita conta pra nós. Foi muito difícil.

Eu acho que, por um lado, é a história de um fracasso policial, porque a polícia em 20 anos não conseguiu descobrir. É uma bateção de cabeças da polícia. Por outro lado, é a história de uma família em apuros, desesperada. E um terceiro lado é: quem é essa pessoa? Porque a gente está falando tanto dela, mas quem é ela?

Eduardo Rajabally - diretor

Arquivo pessoal

Arquivo pessoal da família serviu como base para fazer o documentário
Arquivo pessoal da família serviu como base para fazer o documentário | Foto: Reprodução | Redes Sociais

Segundo Jovita Belfort, a família sempre teve o costume de registrar momentos em gravações de vídeo. Esse material serviu como base para fazer o documentário. “E aí eu acho que o grande trunfo da série é ter esbarrado nesse grande arquivo pessoal da família, tem fotos e vídeos VHS, Super 8, que são imagens muito íntimas. Poucas séries no Brasil, que eu me lembre, tem tanto material de arquivo pessoal íntimo como essa série”, pontuou Eduardo Rajabally.

O diretor disse ainda que, a partir desse material, tudo mudou. “Você começa a ouvir a Priscila, a ver o que ela pensava, como ela se portava, como ela era, ouvir a voz. E aí tudo muda, porque a pessoa parece que está de repente presente de novo, mesmo a gente estando discutindo uma grande ausência muito sentida. De certa forma, ela está presente na série, é como se resgatasse essa pessoa, não só para a família, como para todo mundo”.

Além da história policial que não dá em nada, é uma série que tenta trazer a Priscila e tratar ela como protagonista. Como se ela pudesse contar a história dela através desses muitos materiais.

Eduardo Rajabally - diretor

Depois do desaparecimento da jovem, a polícia passou a trabalhar com a hipótese de homicídio, mas a família não descarta que ela possa estar viva. Após investigações, as suposições foram descartadas e o caso foi arquivado, mas, com o anúncio da série, a investigação foi reaberta pelas autoridades cariocas.

A produção abordará também como o caso Priscila Belfort ajudou a mudar a maneira como autoridades lidam com pessoas desaparecidas. Um exemplo disso foi a criação de uma delegacia especializada em desaparecimentos no Rio, em 2012. Até então, familiares eram obrigados a lidarem com a delegacia de homicídios.

Ponto de partida

Antes de Rajabally integrar o time, a jornalista e diretora de conteúdo Bruna Rodrigues foi responsável pela pesquisa. Ao Cineinsite, ela contou que atuava como repórter quando Priscila desapareceu. “Eu nunca cobri o caso, mas sempre me chamou a atenção a quantidade de matérias que se tinha na mídia sobre a Priscila, com poucas informações sobre a própria vítima. E mesmo o que se dizia era sempre muito superficial, mas isso lá em 2004, 2005, 2006, ela desapareceu 9 de janeiro de 2004”, disse.

Rodrigues começou a se aprofundar no desaparecimento por conta própria há quatro anos. Ela já trabalhava com não-ficção. “Peguei todas as matérias, me aprofundei, e aí estreitei a relação com a família da Jovita. Expliquei que eu tinha feito um estudo mais aprofundado. Foi aí que o Raja entrou no processo e a gente, de fato, com a família e a produtora Pródigo, desenvolvemos essa série para trazer os 20 anos de investigação esmiuçados”, detalhou.

Algo que o Raja falou muito é que é um perfil da Priscila mais aprofundado, porque até então eu nunca nem tinha ouvido a voz da Priscila. E quando nós acessamos esses vídeos, esses documentos, a gente ouviu a voz dela, a gente viu as cartas, o diário, e a gente conseguiu começar a traçar um perfil da Priscila.

Bruna Rodrigues - diretora de conteúdo

“Órfão de mãe viva”

Bruna Rodrigues, Eduardo Rajabally e Jovita Belfort
Bruna Rodrigues, Eduardo Rajabally e Jovita Belfort | Foto: Divulgação | Disney+

Jovita Belfort fez um relato emocionante no painel sobre o documentário realizado no Rio. Ela revelou que o desaparecimento da filha afetou toda a família, e citou um dia em que Vitor perguntou se ela sabia o que é ser “órfão de mãe viva”.

“O Vitor já era casado, com três filhos e bem-sucedido. Mas ele tinha um buraco grande na vida dele, e eu entendo. Quando um filho desaparece, você só pensa naquele filho”, disse. Na ocasião, Jovita também falou que os netos dela perguntam por Priscila. “Isso faz parte da vida deles, apesar de ela não estar aqui”, completou.

Relembre o caso

Priscila foi vista pela última vez em 2004, quando saía do trabalho para almoçar. Ela atuava como servidora na Secretaria Municipal de Esportes e Lazer do Rio de Janeiro. Desde então, boatos e denúncias deram contornos de mistério para a história ainda sem conclusão judicial.

A família denunciou o desaparecimento à polícia após dois dias sem ter notícias de Priscila. Não houve nenhum pedido de resgate. O caso ganhou bastante repercussão midiática devido a Vitor, que, na época, despontava na carreira como lutador e estava recém-casado com Joana Prado, a ex-Feiticeira.

Vitor Belfort e Priscila Belfort
Vitor Belfort e Priscila Belfort | Foto: Reprodução | Redes Sociais

Desde o desaparecimento, muito se especulou sobre os motivos que levaram Priscila a não ter sido mais vista. Até mesmo confusão mental chegou a ser cogitada, pois ela já havia apresentado lapsos de memória, a dívidas por uso de drogas, devido a uma denúncia feita em 2007.

Na época, uma mulher se entregou à polícia afirmando que ela e um grupo de pessoas tiveram envolvimento no assassinato de uma vítima que, supostamente, seria a ex-servidora.

A família, porém, negou que Priscila tivesse envolvimento com drogas e disse não acreditar que ela possa ter se envolvido em dívidas para proteger algum ex-namorado. Na época, o lutador afirmou que a família forneceu para a Delegacia Antissequestro do Rio de Janeiro os nomes.

Assuntos relacionados

desaparecimento documentário investigação policial Priscila Belfort True Crime

Compartilhe essa notícia com seus amigos

Compartilhar no Email Compartilhar no X Compartilhar no Facebook Compartilhar no Whatsapp

Tags:

desaparecimento documentário investigação policial Priscila Belfort True Crime

Repórter cidadão

Contribua para o portal com vídeos, áudios e textos sobre o que está acontecendo em seu bairro

ACESSAR

Assuntos relacionados

desaparecimento documentário investigação policial Priscila Belfort True Crime

Publicações Relacionadas

A tarde play
Priscila Belfort desapareceu em 2004, no Rio de Janeiro
Play

Filme do Mamonas Assassinas está disponível; saiba onde assistir

Priscila Belfort desapareceu em 2004, no Rio de Janeiro
Play

Última temporada de "Dom" chega ao Prime: "Intensa e visceral"

Priscila Belfort desapareceu em 2004, no Rio de Janeiro
Play

Aviões do Forró rouba a cena no Festival de Cannes; assista

Priscila Belfort desapareceu em 2004, no Rio de Janeiro
Play

Em vídeo, ator Terry Crews desafia Anderson Silva para luta; assista

x

Assine nossa newsletter e receba conteúdos especiais sobre a Bahia

Selecione abaixo temas de sua preferência e receba notificações personalizadas

BAHIA BBB 2024 CULTURA ECONOMIA ENTRETENIMENTO ESPORTES MUNICÍPIOS MÚSICA POLÍTICA