Pedro Cardoso critica Beyoncé, é detonado e rebate: "Não sou branco" | A TARDE
Atarde > a tarde + > Entretenimento

Pedro Cardoso critica Beyoncé, é detonado e rebate: "Não sou branco"

Ator comparou cantora americana a Tracy Chapman

Publicado terça-feira, 02 de janeiro de 2024 às 19:58 h | Autor: Da Redação
Ator comparou cantora americana a Tracy Chapman
Ator comparou cantora americana a Tracy Chapman -

O ano começou com polêmica protagonizada por Pedro Cardoso, conhecido como Agostinho Carrara de A Grande Família. Em uma postagem no Instagram, o ator comparou Tracy Chapman a Beyoncé, sugerindo que a estrela pop alcança sucesso vendendo sua vida pessoal.

Para Cardoso, a preferência pela arte de Chapman em relação a Beyoncé é uma questão de gosto pessoal, mas ele especula que o maior sucesso comercial de artistas como Beyoncé se deve à venda não apenas de sua arte, mas também de sua vida pessoal, explorada pela indústria de biografias íntimas.

O ator destaca a falta de foco da mídia na arte dos artistas, observando que muitas vezes são os escândalos inventados que dominam as notícias.

Ele conclui afirmando que a indústria que explora biografias íntimas produz artistas sem autenticidade, enquanto os verdadeiros artistas circulam menos pelo mundo sem venderem suas vidas.

“A indústria que vende biografias íntimas de artistas é tão rica hoje que ela mesma produz os artistas sem arte que explora. E os artistas autênticos, e suas artes, circulam menos pelo planeta. Sem vender a vida, ‘Beyonces’ não venderiam tanto”.

No entanto, a crítica ao texto foi intensa nas redes sociais, especialmente pela comparação entre duas mulheres negras. Comentários apontaram a inadequação do ator branco comparar Chapman e Beyoncé dessa forma.

"Pedro, dá tempo de apagar. Porque você tá falando de uma das artistas mais reservadas do mundo, com menos polêmicas. E assim, achei de péssimo tom um cara branco, colocar duas mulheres pretas nessa posição comparativa".

Em resposta, Pedro Cardoso negou ser "um cara branco" e questionou a relevância da cor da pele em sua argumentação.

“‘Um cara branco’? Quem é um ‘cara branco’ aqui? Eu? Não sou branco nem cara. O que é ser branco? É a cor da pele ou a ideologia?”.

“Querido Pedro, com todo respeito, mas esse texto deveria ir para o museu da branquitude. Comparar duas cantoras com estilos totalmente diferentes, baseada em informações que não são reais para poder dizer que uma das artistas mais importantes do mundo baseia a vida em escândalos que nunca existiram”, disse outro seguidor.

Publicações relacionadas