Praias impróprias preocupam moradores, banhistas e autoridades locais | A TARDE
Atarde > A TARDE Play

Praias impróprias preocupam moradores, banhistas e autoridades locais

Reportagem do A TARDE Play traz impactos da contaminação na saúde de quem frequenta o litoral soteropolitano

Publicado sábado, 18 de novembro de 2023 às 10:14 h | Atualizado em 18/11/2023, 10:16 | Autor: Vagner Ferreira | A TARDE Play
O descarte inadequado de resíduos está entre os fatores de poluição do mar e da contaminação das faixas areia
O descarte inadequado de resíduos está entre os fatores de poluição do mar e da contaminação das faixas areia -

Com o verão se aproximando, Salvador se prepara para receber um aumento significativo no volume de turistas. No entanto, embora atraídos tanto pela riqueza cultural quanto pelas belezas naturais, muitos visitantes não sabem que ao longo dos mais de 40 km de orla da capital baiana há um assunto que preocupa moradores e autoridades locais: a qualidade da água.

Segundo pesquisas recentes do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Estado da Bahia, o Inema, algumas das praias mais populares de Salvador estão sendo classificadas como impróprias para banho. No último boletim foram apontadas as seguintes localidades: praia de Paripe, Tubarão, Penha, Patamares, Armação e Corsário. Buscando compreender quais os impactos desse cenário para a vida da população, o A TARDE Play produziu uma reportagem inédita, como desdobramento da matéria em texto do A TARDE Destaque 

Participaram da matéria o Diretor de Recursos Hídricos e Monitoramento Ambiental do Inema, Antônio Martins, a infectologista Clarissa Ramos e o surfista Roberto Soares. O conteúdo está disponível no canal do A TARDE Play no Youtube.

Praias Impróprias

O Inema realiza semanalmente o monitoramento de balneabilidade, a partir da coleta de amostras que ficam espalhadas em pontos específicos de toda a costa baiana. Contudo, uma dúvida paira sobre os banhistas: como saber se a água está imprópria para banho? Antônio Martins, diretor do Inema, nos explica que o indicativo da má qualidade da água vem “quando há uma incidência de 800 ou mais partes da E. Coli em 100 ml dessa água em cinco coletas realizadas. Ou seja, se durante cinco semanas 80% das coletas apresentarem a incidência de 800 ou mais partes da bactéria E. Coli, significa que aquela água está imprópria para banho”.

Já a infectologista Clarissa Ramos alerta para as possíveis doenças que podem surgir como consequência do contato com essas águas: “A principal doença transmitida é a gastroenterite, que causam diarreia, dor de barriga, dor de estômago, algumas doenças virais e até alguns tipos de hepatites, como a hepatite A. Se a pessoa mergulha, é ainda pior, pois há o contato da água com o ouvido e os olhos”, relata. “Se a pessoa tiver alguma ferida na pele, alguma lesão, ainda pode ter infecção de pele por conta disso”, continua ela.

Um dos fatores que levam as praias a ficarem impróprias, e ameaçam a saúde ambiental das áreas litorâneas, é o descarte inadequado de resíduos. Em tempos de chuva, todo o detrito é carregado pelas águas e acabam levando diversos poluentes para o mar, contaminando, inclusive, a faixa areia.

Assista a reportagem completa:

A TARDE Play
 

Publicações relacionadas

MAIS LIDAS