Menu
Pesquisa
Pesquisa
Busca interna do iBahia
HOME > AUTOS
Ouvir Compartilhar no Whatsapp Compartilhar no Facebook Compartilhar no X Compartilhar no Email
09/07/2024 às 5:00 - há XX semanas | Autor: Gabriel Moura

AUTOS

Ninguém compra: por que os 'carros baratos' não vendem na Bahia

Fatores culturais e econômicos explicam preferência por carros maiores

Fiat Mobi na variedade Trekking
Fiat Mobi na variedade Trekking -

Carro 0km mais barato do Brasil, herdeiro do icônico Uno e pertencente à montadora que mais vende no país. Os argumentos para transformar o Mobi em líder de vendas na Bahia são muitos, mas ficam apenas no campo teórico. Na realidade, o caçula da Fiat luta para figurar entre os 10 mais vendidos do estado.

Mais que isso, segundo dados da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), o outrora chamado 'carro popular' é o segundo menos vendido da montadora italiana no estado, vencendo apenas o sedan Cronos.

Foram 787 unidades emplacadas até agora no estado, dando ao Mobi a 12ª colocação do ranking que é liderado pelo Hyundai Creta, com 1653 vendas.

Observando o desempenho do único concorrente do Mobi, o Renault Kwid, que está na 14ª posição, fica evidente que o problema não é 'novo Uno', mas da categoria. O segmento de entrada vende menos que compactos e, principalmente, SUVs.

"Estes são veículos de opção de compra para pessoa jurífica, para trabalho, para empresas de telefonia ou de suporte a vendas, por exemplo. São carros de entrada e que servem mais a empresas do que as pessoas físicas ou são os segundos veículos da casa para famílias mais abastadas", explica Milad Kalume Neto, especialista no mercado automobilístico.

E a questão é particular da Bahia. No ranking nacional, o Mobi figura na quinta posição, e o Kwid desempenha levemente melhor, em 12ª. Os baianos, aliás, alimentam uma preferência pelos SUVs.

O top-5 local reúne Creta, Toyota Corolla Cross, Nissan Kicks e GM Tracker. Já no nacional brilham, em ordem, VW Polo, Hyundai HB20, GM Onix, Fiat Argo e o supracitado Mobi fechando a lista.

"Existem algumas questões regionais que explicam esta situação. A primeira delas seria entender o posicionamento das duas empresas em relação aos incentivos (bônus e descontos) que elas estão praticando em cada mercado e as campanhas de marketing para fortalecimento destes modelos. Acontece que, por se tratarem de veículos de entrada, normalmente as campanhas são projetadas para veículos com maior valor agregado", inicia o especialista, emendando com uma explicação macroeconômica.

"A Bahia é o 7º estado em relação ao PIB, mas está em 22º no IDH que mede, entre outras coisas, a qualidade de vida considerando a escolaridade, renda e saúde. Já outro indicador, a renda média, a Bahia está em 23º lugar entre os Estados brasileiros. Tais indicadores econômicos, sob meu ponto de vista, justificam a queda em relação a média nacional", completa.

A única categoria menos prestigiada tanto no Brasil quanto na Bahia são os sedans. No estado, o Corolla é o mais vendido, com 785 unidades emplacadas no ano. Cronos (617) e Yaris Sedan (353) fecham o pódio.

Kwid é o segundo mais barato do Brasil
Kwid é o segundo mais barato do Brasil | Foto: Divulgação / Renault

Escolha dos clientes

O preço de tabela inicial do Mobi 2025 é R$ 72.990,00, o equivalente a praticamente 52 meses de salário mínimo. Já o Kwid de entrada sai por ainda mais caro, R$ 73.640,00, igualmente proibitivo para a parcela mais baixa da população.

Além de ambos não cumprirem o requisito básico do carro popular, ser acessível aos mais pobres, o preço encosta-os em outras categorias. Ambos custam R$ 10 mil a menos que os mais equipados, desejados e bem construídos Argo e Stepway, citando apenas veículos das mesmas montadoras, tornando-se opções mais atrativas e racionais para os compradores.

Olhando outras marcas, Polo, Onix e HB20 são as principais escolhas dos baianos no segmento dos compactos. Todos com preço inicial na casa dos R$ 80 mil.

"A oferta de veículos limitada durante a pandemia motivada pela restrição de semicondutores fez com que as fabricantes optassem por direcionar sua produção aos veículos de maior valor agradado. Quando a oferta de semicondutores se regularizou, a indústria de certa forma se acomodou a oferecer veículos com alto valor, pois as vendas estavam estagnados entre 2 e 2,2 milhões de veículos. Então a saída seria aumentar o valor dos produtos para manter as margens", explica Milad.

Assuntos relacionados

Bahia carros econômicos mercado automobilístico vendas de carros

Compartilhe essa notícia com seus amigos

Compartilhar no Email Compartilhar no X Compartilhar no Facebook Compartilhar no Whatsapp

Tags:

Bahia carros econômicos mercado automobilístico vendas de carros

Cidadão Repórter

Contribua para o portal com vídeos, áudios e textos sobre o que está acontecendo em seu bairro

ACESSAR

Assuntos relacionados

Bahia carros econômicos mercado automobilístico vendas de carros

Publicações Relacionadas

A tarde play
Fiat Mobi na variedade Trekking
Play

Camaro 2019 tem novidades, mas preço fica para janeiro

Fiat Mobi na variedade Trekking
Play

Volkswagen realiza evento com test drives gratuitos na Fonte Nova

Fiat Mobi na variedade Trekking
Play

Categoria de acesso

Fiat Mobi na variedade Trekking
Play

Volkswagen revela imagem e vídeo do T-Cross

x

Assine nossa newsletter e receba conteúdos especiais sobre a Bahia

Selecione abaixo temas de sua preferência e receba notificações personalizadas

BAHIA BBB 2024 CULTURA ECONOMIA ENTRETENIMENTO ESPORTES MUNICÍPIOS MÚSICA POLÍTICA