Justiça aceita pedido de recuperação judicial da SouthRock Capital | A TARDE
Atarde > Brasil

Justiça aceita pedido de recuperação judicial da SouthRock Capital

A empresa é operadora das marcas Starbucks e Subway

Publicado terça-feira, 12 de dezembro de 2023 às 19:53 h | Autor: Da Redação
No dia 31 de outubro, a companhia entrou com o pedido, reportando uma dívida de R$ 1,8 bilhão
No dia 31 de outubro, a companhia entrou com o pedido, reportando uma dívida de R$ 1,8 bilhão -

A Justiça de São Paulo aceitou nesta terça-feira, 12, o pedido de recuperação judicial da SouthRock Capital, operadora das marcas Starbucks e Subway. No dia 1º de novembro, a 1ª Vara de Falências de São Paulo negou o pedido de recuperação judicial da operadora.

No dia 31 de outubro, a companhia entrou com o pedido, reportando uma dívida de R$ 1,8 bilhão. Na época, a empresa afirmou que as operações foram prejudicadas pela alta instabilidade do país, volatilidade da taxa de juros e pelas constantes variações cambiais.

O juiz Leonardo Fernandes dos Santos, da 1ª Vara de Falências de São Paulo, concluiu que a SouthRock Capital possui os requisitos para ter o requerimento de recuperação judicial. “Em síntese, o pedido está em termos para ter o seu processamento deferido (...) verificando-se a possibilidade de superação da 'crise econômico-financeira' das devedoras", escreve o juiz na decisão.

Agora, a empresa terá 60 dias para apresentar o plano de recuperação, tendo as cobranças da dívida (execuções) sendo suspensas por um período de 180 dias.

De acordo com o magistrado, o processo protocolar de apresentação dos documentos para o pedido, bem como a resposta às solicitações, seguiram "de forma objetiva, esclarecendo diversos pormenores da situação econômica, financeira, contábil, administrativa e fiscal" da SouthRock.

"Todos os dados coletados, além de imprescindíveis à prolação da decisão judicial e posterior condução do feito, por trazer a realidade da empresa aos autos, permitirão que os credores acompanhem o processo já cientes de sua transparência e regularidade, sobretudo quando forem, eventualmente, manifestar sua vontade em AGC [assembleia geral de credores], acerca da viabilidade econômica da atividade", disse no documento.

Publicações relacionadas