Problema x solução: como lidar com a intolerância à lactose na Páscoa | A TARDE
Atarde > Brasil

Problema x solução: como lidar com a intolerância à lactose na Páscoa

Sendo a época dos famosos ovos de chocolate, os intolerantes ao açúcar do leite sofrem com o problema

Publicado sábado, 30 de março de 2024 às 09:53 h | Autor: Clara Oliveira | Portal Massa!
Com a chegada do mês de março, os ovos de chocolate tomam conta da prateleira de mercados, lojas e docerias
Com a chegada do mês de março, os ovos de chocolate tomam conta da prateleira de mercados, lojas e docerias -

Um dos momentos mais fortes do período de Semana Santa é o consumo de ovos de chocolates durante o domingo de Páscoa. Sendo uma forte cultura advinda de diversas tradições ao redor do mundo, o chocolate durante a data pode ter o significado de amor, amizade e renovação.

Já com a chegada do mês de março, os ovos de chocolate tomam conta da prateleira de mercados, lojas e docerias para todos os que amam e se esbaldar em doces durante a Páscoa. No entanto, como nem tudo é flores, existem grupos de pessoas que não conseguem desfrutar totalmente os chocolates convencionais durante o período: os intolerantes à lactose.

As pessoas com intolerância à lactose não podem ingerir a lactose -açúcar do leite- e com a situação automaticamente é necessário adaptar algumas escolhas no momento de degustar os deliciosos ovos de páscoa.

Intolerantes à lactose x Ovos de Páscoa

A estudante de biomedicina, Amanda Cruz, 20 anos, descobriu a intolerância à lactose há 1 ano e de lá para cá precisa lidar com a dificuldade de não consumir produtos que possuem lactose. Para ela, a adaptação não é algo fácil, mas consegue substituir.

“É difícil principalmente em ambientes que tem variedade de alimentos que não pode consumir, mas no geral do dia a dia, dá pra substituir por produtos sem lactose”, contou em entrevista ao Portal Massa!.

Com um quadro de intolerância a lactose elevada, a estudante revelou como é a sua preparação para passar o período de Páscoa sem dificuldades. “O lado bom é que sempre ganho/compro sem lactose justamente por todos terem conhecimento da minha saúde, e tem chocolates com lactose que realmente o desejo de consumir, mas os sem lactose possuem o mesmo sabor e qualidade”, afirmou Amanda.

Somente no Brasil, 51% da população do país tem tendência genética à intolerância à lactose, segundo dados do laboratório genético Genera. Os sintomas mais comuns do distúrbio digestivo são náuseas, dores abdominais, diarreia, gases e desconforto.

Porém, apesar de toda a complexidade de lidar com a intolerância, Amanda detalhou que o equilíbrio é a peça-chave para conseguir comer chocolates durante a Páscoa.

“É saber ter o equilíbrio, ingerir sempre sem lactose, pois o mercado hoje oferece muita variedade para os intolerantes. Porém, se não for possível, comer em pequena quantidade e racionar, ou tomar a enzima antes para degradar a lactose e consequentemente os efeitos serão quase que nulos”, disparou Amanda Cruz.

Já Francismara da Silva, 43 anos, lida com a intolerância à lactose há muito tempo e acredita que a reeducação alimentar é essencial para aproveitar ao máximo o período da páscoa. Apesar de lidar com a situação há bastante tempo, ela ainda sofre com a intolerância.

“É muito difícil, até hoje não consegui me adaptar. Não é só o desconforto abdominal, o corpo inflama, tenho crises de enxaqueca”, desabafou.

Mas como também tudo tem seu jeitinho, os doces e chocolates sem lactose chegaram cada vez mais para ficar. Na tentativa de juntar o desejo de comer ovo de páscoa com a intolerância, Francismara revelou que ‘corre’ para os produtos livres de lactose. “Como o zero lactose, graças a Deus várias pessoas já trabalham com esses produtos”, afirmou ao Massa!

Doces e chocolates sem lactose

Tamiles Palma, 36 anos, é uma das diversas pessoas que possibilita aos intolerantes à lactose a desfrutar o sabor do chocolate sem peso na consciência ou medo de passar mal. Proprietária da confeitaria Afitiva, a confeiteira produz doces e chocolates sem lactose e açúcar.

Inspirada por acontecimentos passados e a preocupação em relação à saúde, Tamiles traçou o seu caminho até a confeitaria saudável para benefício próprio e também para levar bem-estar em forma de comida para outras pessoas.

Segundo Tamiles, é notável o maior número de vendas de chocolates e doces durante o período de páscoa. “Pra mim, de todas as campanhas, a Páscoa é o momento que eu mais vendo. Não apenas os chocolates, mas tudo que envolve a questão doce. As pessoas ficam mais aguçadas e procuram mais”, afirmou a confeiteira ao Massa!.

Com o objetivo de ‘capturar’ as clientes, Tamiles admitiu que procura provar que além de bonito o doce saudável também consegue, sim, ser mais gostoso do que o doce tradicional. Pensando em todos os consumidores, a confeiteira contou trabalhar com chocolate, além de ser lactose, e com chocolates veganos

“A gente trabalha tanto para pessoas que não podem consumir o leite de origem animal, como também com pessoas que não podem consumir o leite com a lactose. No caso desse leite sem a lactose, é apenas a questão da enzima, que aí a gente coloca a enzima lactase e quem tem intolerância à lactose pode consumir”, contou Tamiles.

Como proprietária da confeitaria saudável @afitiva.confeitaria, Tamiles destacou que o chocolate vegano é tão saboroso quanto os chocolates normais, e em algumas vezes, os saudáveis chegam até a ter o gosto mais apurado, já que na base dele tem mais cacau que os chocolates comercializados no mercado.

Tamiles acredita que cada vez mais os olhos das pessoas com restrição alimentar estão mais atentos para a compra de doces sem lactose, e em procurar profissionais que trabalham e que atendem a si próprio. “Então, pessoas que têm restrição ao glúten, à lactose, ao leite de origem animal, a gente tem atendido e a cada ano eu acredito que vai melhorar e aumentar, porque a consciência está cada vez maior”, finalizou a confeiteira.

Publicações relacionadas