Menu
Pesquisa
Pesquisa
Busca interna do iBahia
HOME > BRASIL
Ouvir Compartilhar no Whatsapp Compartilhar no Facebook Compartilhar no X Compartilhar no Email
05/04/2024 às 19:12 - há XX semanas | Autor: Da Redação

Turista estrangeira denuncia estupro coletivo em boate do Rio

O caso está sendo investigado pela Polícia Civil e está sob sigilo

Uma turista estrangeira escreveu uma carta denunciando ter sido vítima de estupro coletivo em uma boate na Lapa, no Rio de Janeiro, no último domingo, 31. O caso está sendo investigado pela Polícia Civil e está sob sigilo.

A vítima enviou a carta à comissão de Defesa da Mulher da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), e alegou que foi levada por um homem para um quarto escuro, conhecido em boates como "dark room". No depoimento, ela afirma que estaria sendo levada a uma outra pista de dança da boate Portal Club, mas no local, foi vítima de estupro coletivo.

"Não sei como deixei aquele quarto. Quando recuperei um pouco a consciência estava sentada em uma cadeira dentro da boate, chorando e gritando com minha amiga de um lado e uma segurança do outro", escreveu a turista.

Ela afirma que, após sair do dark room, procurou os seguranças da casa, mas não sabe falar português e não entendeu o que eles diziam. Depois, uma mulher que havia conhecido na boate intermediou a comunicação. "Quando ela entendeu o que estava acontecendo começou a gritar também, mas o segurança mandou a gente parar de gritar", disse a vítima, que reforçou, ao longo do relato, que os seguranças da casa noturna não foram ágeis no auxílio.

"No caminho percebi os riscos das relações sexuais, não sabia se tinham usado camisinha ou não, comecei a entrar em pânico de novo, não conseguia respirar", escreveu a turista. Ela disse ainda que depois procurou um hospital, onde foi tratada da "melhor maneira possível".

A turista havia planejado a viagem ao Brasil com a amiga para estudar na Bahia, mas passou antes no Rio para conhecer a cidade. Logo após o caso, ela deixou o país.

A boate foi interditada nesta quinta-feira, 4, pela prefeitura do Rio de Janeiro, por meio da Secretaria de Ordem Pública. A pasta afirma que a medida foi tomada "preventivamente para preservar a segurança e a ordem pública e para que o local permaneça fechado até o encerramento das investigações".

Em nota divulgada em seu perfil no Instagram, o Portal Club afirma que "repudia veementemente e nunca irá apoiar qualquer forma de intolerância, opressão ou violência contra mulheres". A direção da casa diz ter acolhido a vítima e fornecido imagens e áudio do circuito de segurança à investigação, bem como os dados dos clientes presentes naquele dia.

Assuntos relacionados

Boate dark room denúncia Estupro coletivo investigação Rio de Janeiro Segurança turista estrangeira VIOLÊNCIA SEXUAL Vítima

Compartilhe essa notícia com seus amigos

Compartilhar no Email Compartilhar no X Compartilhar no Facebook Compartilhar no Whatsapp

Tags:

Boate dark room denúncia Estupro coletivo investigação Rio de Janeiro Segurança turista estrangeira VIOLÊNCIA SEXUAL Vítima

Repórter cidadão

Contribua para o portal com vídeos, áudios e textos sobre o que está acontecendo em seu bairro

ACESSAR

Assuntos relacionados

Boate dark room denúncia Estupro coletivo investigação Rio de Janeiro Segurança turista estrangeira VIOLÊNCIA SEXUAL Vítima

Publicações Relacionadas

A tarde play
Play

VÍDEO: Homem atira contra casal em carro em rodovia de SP

Play

Pai é preso após ser filmado abusando da filha internada na UTI

Play

Mulher grávida 'invade' Câmara e exige que vereador reconheça filho

Play

Avião cai em região de mata e deixa duas pessoas mortas; assista

x

Assine nossa newsletter e receba conteúdos especiais sobre a Bahia

Selecione abaixo temas de sua preferência e receba notificações personalizadas

BAHIA BBB 2024 CULTURA ECONOMIA ENTRETENIMENTO ESPORTES MUNICÍPIOS MÚSICA POLÍTICA