Grupo protesta em frente à Jovem Pan e a acusa de apologia ao estupro

Emissora não protegeu a identidade da vítima de estupro pelo anestesista no Rio

Publicado quarta-feira, 13 de julho de 2022 às 14:42 h | Atualizado em 13/07/2022, 14:46 | Autor: ´Da Redação
Manifestantes pedem que os envolvidos na exibição das imagens sejam demitidos
Manifestantes pedem que os envolvidos na exibição das imagens sejam demitidos -

Um grupo de mulheres e integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto realizam um protesto em frente ao prédio da Jovem Pan, em São Paulo, nesta quarta-feira, 13.

Na segunda-feira, 11, a emissora exibiu cenas do estupro cometido pelo médico anestesista Giovanni Quintella contra uma mulher durante a cesárea. Entretanto, não houve proteção à identidade da vitima com blur, tarja ou elemento similar.

Devido à exposição, a emissora é acusada de apologia ao estupro. Devido a um princípio de tumulto, a polícia precisou ser acionada e tentou disperar os manifestantes.

As manifestantes pedem que os envolvidos na exibição das imagens sejam demitidos. Segundo o colunista Fefito, a exibição das imagens é tratada pela emissora como "descuido da produção" e ninguém será punido.

"Não adianta condenar abuso e ser a favor de castração química e fazer esse tipo de coisa", escreveu o Movimento, nas redes sociais.

Até o momento, a emissora não se posicionou sobre o ocorrido, mas apagou o vídeo do site.

Publicações relacionadas