Saiba como organizar as finanças no pós-carnaval | A TARDE
Atarde > Economia

Saiba como organizar as finanças no pós-carnaval

Início de ano traz o desafio de colocar as contas em dia, seja usando a tecnologia ou um simples caderno

Publicado segunda-feira, 12 de fevereiro de 2024 às 06:20 h | Autor: João Vítor Sena*
Imagem ilustrativa da imagem Saiba como organizar as finanças no pós-carnaval
-

Com o começo do novo ano, surge o desafio de colocar as contas em dia. Além do IPTU, IPVA e outras taxas, milhões de brasileiros precisam lidar com as dívidas que perduram dos anos passados. Segundo especialistas, o primeiro passo para organizar as finanças pessoais é listar todos os gastos fixos e variáveis, além das dívidas existentes.

“O primeiro passo é abrir um controle financeiro efetivo, visualizando os gastos fixos e variáveis por categoria. Existem ferramentas que podem ajudar nesse controle, como planilhas financeiras, onde você possa visualizar seus gastos por categorias, ou algum aplicativo que também possa auxiliar nessa visualização. Até pegar um papelzinho e anotar (os gastos) já ajuda no controle financeiro, mas a gente orienta que as pessoas utilizem ferramentas que possam organizar (as finanças) da melhor maneira possível, porque é através disso que as pessoas vão conseguir analisar onde estão errando”, conta Sabrina Oliveira, contadora e sócia da EFIZ, empresa especializada em consultoria contábil.

Bruno Crepaldi, superintendente de Relações Institucionais do Itaú Unibanco, ainda destaca que, para muitos brasileiros, a dívida é inevitável. “Em um contexto em que 60% da população possui renda inferior a R$ 2.500,00, para muitos, estar endividado é resultado de ganhar menos do que o necessário para viver. Mas também, consequência de aspectos culturais e pessoais, como falta de conhecimento ou necessidade de pertencimento”, relata.

Estabelecer limites

De acordo com Sabrina, o controle financeiro vai além de somente elencar os custos e dívidas, mas também consiste em estabelecer limites para certos tipos de gastos, como aqueles relacionados ao lazer.

“Se fiz o controle financeiro e vi que estou gastando muito com lazer, vou fazer um planejamento para que, no próximo mês, eu não gaste a mesma coisa. Por exemplo, caso uma pessoa desembolse R$ 900 por mês com lazer e esteja insatisfeita com o gasto excessivo, pode estabelecer um limite e diminuí-lo no próximo mês. Depois que você fizer esse controle e analisar, aí sim conseguirá fazer um planejamento financeiro”, explica a contadora.

O planejamento financeiro, por sua vez, vem após a fase do controle, onde já foram detectados os gastos fixos e variáveis, as dívidas e foram estabelecidos os limites para cada tipo de despesa. Este artifício serve para orientar como deve ser distribuída a renda do mês, respeitando os limites estabelecidos na etapa do controle. Com um planejamento financeiro claro, também é possível identificar com mais facilidade quais dívidas devem ser pagas primeiro.

Segundo Bruno, devem ser priorizados os débitos que apresentam juros mais altos, que estejam atrasados ou cuja garantia esteja atrelada aos bens do indivíduo. A quitação destes deve ser colocada como prioridade porque geralmente está ligada à pagamentos de taxas adicionais, como multas, e podem prejudicar a classificação individual de crédito, assim como a capacidade de obter crédito no futuro.

Ainda de acordo com o superintendente, caso o indivíduo não tenha renda suficiente para quitar as dívidas mais urgentes, o primeiro passo é entrar em contato com os credores para explicar a situação financeira e negociar novos termos de pagamento. “Muitas vezes, os credores querem estabelecer planos de pagamento alternativos ou reduzir as taxas de juros para ajudar os devedores a liquidarem suas dívidas”, relata.

“Além disso, buscar uma renda extra pode ajudar. Procurar oportunidades de trabalho temporário, freelancers ou outras fontes de renda para complementar as finanças e aumentar a capacidade de pagamento das dívidas pode ser uma boa alternativa. O mais importante é agir proativamente e buscar soluções que sejam sustentáveis e viáveis para sua situação financeira”, recomenda Bruno.

Para facilitar o controle das finanças e o seguimento do planejamento financeiro, é possível recorrer aos aplicativos de gestão financeira, responsáveis por organizar custos e despesas de maneira clara e com atualização diária. Também é possível configurá-los para que alertas e notificações sejam enviados caso limites sejam ultrapassados ou contas estejam vencidas.

No entanto, pessoas com cotidiano corrido podem encontrar dificuldade em atualizar o aplicativo com os gastos variáveis diários. Para estes casos, Sabrina aponta que há maneiras de fazer esse controle de forma mais ágil, através do aplicativo de bloco de notas.

“Ou, então, faça um grupo com você mesmo no Whatsapp, coloque o nome de finanças e vai anotando esses gastos variáveis. Eles são os vilões, porque, quando não acompanhados, podem afetar sua saúde financeira e impedir de alcançar seus sonhos”, relata a contadora.

* Sob a supervisão da editora Cassandra Barteló

Publicações relacionadas