Menu
Pesquisa
Pesquisa
Busca interna do iBahia
HOME > MUNDO
Ouvir Compartilhar no Whatsapp Compartilhar no Facebook Compartilhar no X Compartilhar no Email
19/04/2024 às 11:13 - há XX semanas | Autor: AFP

Especialistas veem sinais de desescalada entre Irã e Israel

Explosões foram registradas nesta sexta-feira no centro do Irã

Israel prometeu responder ao ataque sem precedentes do Irã
Israel prometeu responder ao ataque sem precedentes do Irã -

O ataque limitado ao Irã nesta sexta-feira, 19, atribuído por autoridades americanas a Israel, sugere que os dois arqui-inimigos poderiam procurar uma desescalada, embora as relações entre os dois sejam explosivas, dizem os especialistas.

A comunidade internacional teme que décadas de tensões entre Israel e a República Islâmica se transformem em um confronto direto, tendo como pano de fundo a guerra entre o Exército israelense e o movimento islamista palestino Hamas, apoiado por Teerã, na Faixa de Gaza.

Segundo autoridades americanas citadas por várias emissoras do país, as explosões registradas nesta sexta-feira no centro do Irã são uma resposta de Israel aos ataques lançados por Teerã contra o território israelense no último fim de semana.

Leia mais

>> Vídeo: nova erupção do vulcão indonésio Ruang

Israel prometeu responder ao ataque sem precedentes, realizado com cerca de 300 mísseis e drones, cuja maioria foi interceptada. A comunidade internacional, por sua vez, apelou à contenção.

Nesta sexta-feira, o Irã parecia querer atenuar a situação, salientando que o suposto ataque israelense não envolveu mísseis e que as suas instalações nucleares estavam seguras.

"Parece que estamos em um ponto em que ambos os lados procuram romper o atual ciclo de escalada, com Israel executando um ataque muito limitado para demonstrar que respondeu aos ataques iranianos, e Teerã rapidamente minimizando o incidente para não ser forçado a responder", analisou Julien Barnes-Dacey, do Conselho Europeu de Relações Internacionais, um think tank.

Hasni Abidi, do Centro de Estudos e Pesquisa sobre o Mundo Árabe e Mediterrâneo, com sede em Genebra, sublinhou que os dois ataques iranianos e israelenses foram "quase simétricos", o que poderá levá-los a pensar que podem deixar por isso mesmo.

"O ataque israelense atingiu uma base aérea que havia sido usada como plataforma para lançar mísseis e drones contra Israel na semana passada", disse. E "os israelenses tiveram o cuidado de não atingir posições nucleares importantes na mesma província, em Isfahan", acrescentou.

A situação pode apaziguar Teerã, que "não tem interesse em que esta tensão continue", uma vez que a sua "prioridade absoluta" é continuar com o seu programa nuclear, essencial para a sobrevivência do regime, indicou este especialista em Oriente Médio.

Durante o seu ataque a Israel no fim de semana passado, o Irã também foi capaz de avaliar "as capacidades de defesa aérea de Israel", assim como a mobilização "sem precedentes" dos Estados Unidos e, mais amplamente, do campo ocidental ao qual se juntou a Jordânia, acrescentou.

Prudência

O Irã lançou mais de 350 projéteis contra Israel no fim de semana. Quase todos eles foram interceptados.

Embora existam sinais que apontam para uma desescalada, os especialistas preferem permanecer cautelosos e indicam que há incerteza em torno dos objetivos de Israel.

"Na minha opinião, Israel está em uma lógica de escalada e não de desescalada", disse Agnès Levallois, do Instituto de Pesquisa e Estudos sobre o Mediterrâneo e o Oriente Médio.

"Atacar o Irã é uma forma de obter um apoio internacional muito maior", analisou, referindo-se ao fato de alguns países árabes acreditarem que Teerã e o seu programa nuclear são por si só um fator de desestabilização regional.

A especialista destacou ainda a natureza imprevisível do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, cujo governo decidiu responder ao ataque iraniano apesar das advertências de Washington.

"Há coisas que parecem óbvias e razoáveis, mas no terreno temos um ator (...) que toma decisões que parecem ir contra os próprios interesses de Israel", disse.

Israel também intensificou os seus ataques contra o movimento pró-iraniano libanês Hezbollah no sul do Líbano, o que poderia levar este último a querer "reparar a indignação causada ao Irã", cujos vários oficiais foram recentemente mortos por Israel.

"A situação regional como um todo permanece incrivelmente febril, com o confronto entre estes dois países mais direto do que nunca", declarou Julien Barnes-Dacey.

Em um cenário mais otimista, Agnès Levallois acredita ser possível que os Estados Unidos tenham aceitado que Israel respondesse desta forma, para evitar uma reação mais forte.

Porque, segundo ela, "os riscos são muito grandes" para os Estados Unidos, para os países do Golfo e para o próprio Israel.

Assuntos relacionados

ataque Conflito consequências desescalada especialistas estados unidos Hamas Irã Israel misseis Palestinos programa nuclear relações internacionais Segurança tensões

Compartilhe essa notícia com seus amigos

Compartilhar no Email Compartilhar no X Compartilhar no Facebook Compartilhar no Whatsapp

Tags:

ataque Conflito consequências desescalada especialistas estados unidos Hamas Irã Israel misseis Palestinos programa nuclear relações internacionais Segurança tensões

Repórter cidadão

Contribua para o portal com vídeos, áudios e textos sobre o que está acontecendo em seu bairro

ACESSAR

Assuntos relacionados

ataque Conflito consequências desescalada especialistas estados unidos Hamas Irã Israel misseis Palestinos programa nuclear relações internacionais Segurança tensões

Publicações Relacionadas

A tarde play
Israel prometeu responder ao ataque sem precedentes do Irã
Play

Fotógrafo brasileiro expõe ação de batedores de carteira em Paris

Israel prometeu responder ao ataque sem precedentes do Irã
Play

Vídeo: Papa Francisco faz oração pelo povo gaúcho em missa no Vaticano

Israel prometeu responder ao ataque sem precedentes do Irã
Play

Vídeo: colisão de helicópteros militares na Malásia deixa 10 mortos

Israel prometeu responder ao ataque sem precedentes do Irã
Play

Vídeo: Bebê palestino nasce após morte da mãe em ataque aéreo

x

Assine nossa newsletter e receba conteúdos especiais sobre a Bahia

Selecione abaixo temas de sua preferência e receba notificações personalizadas

BAHIA BBB 2024 CULTURA ECONOMIA ENTRETENIMENTO ESPORTES MUNICÍPIOS MÚSICA POLÍTICA