Pela 1ª vez, Argentina registra superávit fiscal em mais uma década | A TARDE
Atarde > Mundo

Pela 1ª vez, Argentina registra superávit fiscal em mais uma década

O Saldo positivo foi de cerca de 589 milhões de dólares (R$ 2,93 bilhões) no câmbio oficial

Publicado segunda-feira, 19 de fevereiro de 2024 às 14:49 h | Atualizado em 19/02/2024, 16:41 | Autor: AFP
Milei prevê uma recuperação da economia em cerca de três meses
Milei prevê uma recuperação da economia em cerca de três meses -

O governo argentino anunciou, na noite de sexta-feira, 16, que obteve em janeiro um superávit fiscal mensal pela primeira vez em quase 12 anos, em meio a fortes medidas de corte de gastos impulsionadas pelo presidente ultraliberal Javier Milei.

O primeiro mês completo de governo do novo presidente, que assumiu em dezembro, terminou com um balanço positivo para as finanças do setor público argentino: o superávit foi de cerca de 589 milhões de dólares (R$ 2,93 bilhões) no câmbio oficial, produto de maiores receitas do que despesas. A cifra também contempla o pagamento de juros da dívida pública.

É o "primeiro superávit financeiro [mensal] desde agosto de 2012 e o primeiro superávit financeiro em um mês de janeiro desde 2011", indicou o Ministério da Economia, segundo a agência oficial Télam.

O "déficit zero não se negocia", publicou na rede social X o ministro da Economia, Luis Caputo, em uma mensagem na qual cita Milei, cujo governo se comprometeu com o Fundo Monetário Internacional (FMI) a alcançar o equilíbrio das finanças públicas este ano.

"Vaaaamooos Toto!", respondeu Milei pela mesma rede social em referência a Caputo, para em seguida acrescentar seu lema de campanha, que também se transformou em slogan de seu governo: "Viva a liberdade, caralho!"

A Argentina mantém um acordo de empréstimo de 44 bilhões de dólares (R$ 218,9 bilhões, na cotação atual) com o FMI e, nesse contexto, o déficit fiscal zero é a principal meta da gestão de Milei, economista que propõe uma forte redução do gasto público e dos passivos do Estado para estabelecer a dolarização da economia.

Após a desvalorização de 50% do peso argentino, a liberalização dos preços e fortes aumentos de tarifas, a inflação de janeiro na Argentina alcançou 20,6% e o índice acumulado nos últimos 12 meses foi de 254,2%. Em 2023, último ano de governo de Alberto Fernández, a inflação fechou em 211%.

Além disso, a pobreza alcança 45% da população, segundo dados oficiais. Milei prevê uma recuperação da economia em cerca de três meses.

"Será como uma espécie de 'V', um primeiro momento de queda, com o período mais difícil em torno de março e abril, que é quando chegará ao fundo e, a partir daí, começará a se recuperar. E quando se abrir o 'cepo' [restrições ao acesso a dólares que se mantém desde 2019], a economia vai disparar", estimou

Publicações relacionadas