A luta antirracista | A TARDE
Atarde > Opinião

A luta antirracista

Confira o Editorial do Jornal A TARDE

Publicado quinta-feira, 21 de março de 2024 às 00:00 h | Autor: Editorial
Imagem ilustrativa da imagem A luta antirracista
-

A atualização de uma análise qualitativa do estágio de luta antirracista funciona como diagnóstico visando alcançar métodos eficazes de terapêutica para verificar o quanto se precisa trabalhar pela terapia desta doença social.

No Dia Internacional de Combate à Discriminação Racial, celebrado hoje, 21 de março, o reconhecimento das conquistas de direitos sociais de todos os grupos humanos tem esta tarefa de avaliar as táticas bem sucedidas e possíveis erros.

A data traz em si uma memória triste, pois coincide com o massacre de Shaperville, ocorrido na África do Sul, em 1966, pois isso as Nações Unidas reservaram esta efeméride para lembrar a chacina e evitar novas ocorrências.

O regime racista conhecido por “apartheid”, no qual pessoas tinham acesso ou não aos melhores meios de convívio, era repudiado pacificamente, em passeatas, por multidões de negros bem organizados.

No entanto, tropas do exército atiraram sem dó contra os manifestantes, resultando em 186 feridos e 69 mortos, resultando na indignação mundial diante da violência pois não havia chance de defesa para as vítimas.

O episódio serviu para organizar com mais ênfase a defesa dos pretos sul-africanos, considerando toda distinção baseada na epiderme como uma forma inaceitável de agressão a direitos e liberdades fundamentais do ser humano.

O efeito de chacina resultou, além da discriminação de cor, resultou na luta unificada por saúde, mercado de trabalho, condições de vida e combate incessante à exclusão, gerando a consciência de o racismo vincular-se à luta de classes.

No Brasil, a indignação contra os preconceitos está na Constituição Federal de 1988, quando foi incluído o crime relacionado às diferenças raciais como inafiançável e imprescritível, ampliando o movimento contra tamanho absurdo.

Também se pode elencar como avanço a Lei 11.645, ao tornar obrigatório o estudo da história e cultura indígena e afro-brasileira, utilizando-se a educação formal como tática de produção de conhecimento visando a um mundo melhor.

Publicações relacionadas