Batalhões contra a dengue | A TARDE
Atarde > Opinião

Batalhões contra a dengue

Confira o Editorial do Jornal A TARDE

Publicado sábado, 02 de março de 2024 às 05:00 h | Autor: Editorial
Imagem ilustrativa da imagem Batalhões contra a dengue
-

Hoje é dia de a cidadania brasileira engajar-se na campanha de combate à dengue, com a participação dos 26 estados, Distrito Federal e mais de 5 mil municípios distribuídos nos ermos e grandes centros urbanos de todo o país.

“Brasil unido contra a dengue” é o tema do movimento visando orientar sobre os cuidados a fim de eliminar criadouros do mosquito transmissor: todo recipiente encontrado com água empoçada será esvaziado sem hipótese de hesitação.

Trata-se de mutirão com alcance cívico coordenado pelo trabalho competente e dedicado da ministra Nísia Trindade, uma das mais destacadas gestoras federais do “scratch” convocado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Na Bahia, a ocorrência de três óbitos elevou a oito o número de baixas, enlutando a Terra da Liberdade pela dor e sofrimento de familiares das vítimas, motivo suficiente para organizarmos batalhões: marchemos pela nossa saúde!

Preocupa médicos e cientistas o fato de as mortes terem ocorrido em período mais curto – seis dias, em média – em relação a épocas anteriores de enfrentamento da praga, ou seja, aumentou a probabilidade de funerais.

O pressuposto moral é o de defender a vida, como bem maior, pois a finitude não precisa ser antecipada, tendo como causa um animalzinho alado, pequenino no tamanho e gigantesco na capacidade de derrubar humanos.

Pari passu ao esforço de Brasília, a Secretaria de Saúde da Bahia apresentou ao Conselho Estadual o plano “Criar mosquito de dengue em casa é barril”, apropriando-se da linguagem criativa da Boa Terra para espalhar o alerta.

Estimativa de servidores habituados a visitar residências implica formar crença na média de oito entre cada dez lares servirem de hospedagem para o inimigo minúsculo, de onde a necessidade de maiores cuidados pelos moradores.

A emergência inclui ações para viabilizar diagnóstico precoce e identificar territórios com focos, considerando o período atual de pancadas de chuva seguidas de tempo firme, mistura adequada à proliferação do Aedes aegypt.

Publicações relacionadas