Deputados se revoltam após ausência do presidente da ViaBahia na Alba | A TARDE
Atarde > política > Bahia

Deputados se revoltam após ausência do presidente da ViaBahia na Alba

Presidente da concessionária enviou o diretor jurídico no seu lugar, mas os parlamentares não aceitaram

Publicado terça-feira, 28 de novembro de 2023 às 10:58 h | Atualizado em 28/11/2023, 13:11 | Autor: Alex Torres e Flávia Requião
As tentativas da Alba por pedidos de satisfação para a ViaBahia tem acontecido já há alguns meses
As tentativas da Alba por pedidos de satisfação para a ViaBahia tem acontecido já há alguns meses -

Os deputados estaduais da Bahia decidiram suspender a reunião que aconteceria nesta terça-feira, 28, na Assembleia Legislativa da Bahia (Alba) para tratar sobre os descumprimento do contrato por parte da concessionária responsável pela administração da BR-324 e BR-116. A decisão veio após anúncio do presidente da ViaBahia cancelando a sua participação e informando que enviaria outro representante em seu lugar.

José Bartolomeu enviou um oficial declarando que não iria à sessão, em função de um compromisso em Brasília e que mandaria o seu diretor jurídico, Heder Santos para representar.

Com a notícia, os deputados relataram que se reuniram e decidiram não aceitar realizar a reunião com o escolhido do presidente. A sessão então foi suspensa.

As tentativas da Alba por pedidos de satisfação para a ViaBahia tem acontecido já há alguns meses, mas sem sucesso. Na última semana, os parlamentares tentaram realizar um protesto contra a concessionária, mas foram impedidos após pedido judicial.

Parlamentares reivindicam

O deputado estadual e presidente da Comissão de Infraestrutura, Desenvolvimento Econômico e Turismo na Alba, Eduardo Salles (PP), reivindicou a falta do presidente e ressaltou ter sido “um afronto muito grande e um descaso com os deputados”.

“Nós havíamos colocado a mais de 40 dias essa convocação dele aqui e alega que foi convidado para estar em Brasília e não vinha”, disse.

Além disso, Salles também acusou Bartolomeu de ter mentido na última reunião que aconteceu em abril e ressaltou a CPI contra a ViaBahia. “Séries de mentiras e promessas.”

“Decidimos pedir imediatamente celeridade na análise que tramita aqui na Assembleia Legislativa da criação de uma CPI específica da ViaBahia”, afirmou.

Já o deputado Felipe Duarte (PP), disse que a falta é fruto de muita indignação. “Eu fico extremamente envergonhado, triste pela maneira que a ViaBahia vem tratando o problema dessa concessão.”

“Eu fico indignado e para a nossa surpresa, entre aspas, por que já prevíamos que isso iria acontecer, covardemente, mais uma vez, o presidente da ViaBahia se ausenta da audiência pública que foi convocado para nos dar mais uma vez satisfações e manda um representante jurídica da empresa. Nós não marcamos audiência pública com o diretor jurídico, nós marcamos com o presidente e em um desculpa pífia ele, covardemente, está correndo do problema”, ressaltou.

Ao Portal A TARDE, Duarte também defendeu a quebra de contrato com a concessionária e o Governo do Estado. “Eu acho que o posicionamento do governo seria cancelar de imediato este contrato. Se você olhar a rigor, a ViaBahia não compriu absolutamente nada”, ressaltou.

Defesa da ViaBahia

Após a decisão de suspensão da reunião na Assembleia Legislativa da Bahia (Alba), o diretor da ViaBahia de posicionou sobre o que seria tratado na sessão. Em conversa com o A TARDE, Heder disse que teria coisas a esclarecer e reivindicou a fala de Salles sobre a promessa de investimentos de R$ 8 milhões por parte de Bartolomeu em outra ocasião.

“O deputado Eduardo Salles acabou de dizer a respeito dos investimentos que o presidente teria, em uma outra sessão, prometido ou garantido que haveria R$ 8 milhões em caixa para realizar investimento e não foi bem isso o colocado pelo presidente naquela ocasião. Gostaria de esclarecer que um projeto dessa envergadura não conta com R$ 8 milhões em caixa, ele procura os financiamentos para viabilizar o investimento de R$ 8 milhões ou de R$ 11 milhões, que na verdade é o investimento completo que a gente pretende fazer, se o acordo for firmado, que já está em andamento e em discussão”, alegou.

Publicações relacionadas