Bolsonaro diz que não indicará “abortista” ao STF

Presidente da República insinuou que maioria dos ministros da Suprema Corte são a favor da legalização do aborto

Publicado sábado, 23 de julho de 2022 às 14:55 h | Atualizado em 23/07/2022, 17:20 | Autor: Da Redação
Brazil's President Jair Bolsonaro gives a joint press conference with Hungary's Prime Minister on February 17, 2022 in Budapest, Hungary. (Photo by Attila KISBENEDEK / AFP)
Brazil's President Jair Bolsonaro gives a joint press conference with Hungary's Prime Minister on February 17, 2022 in Budapest, Hungary. (Photo by Attila KISBENEDEK / AFP) -

Com dois nomeados entre os onze ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), Jair Bolsonaro (PL) diz ter planos para um novo mandato, caso seja reeleito presidente da República.

“Se essa for uma missão repetida de Deus, pode ter certeza: nenhum abortista será colocado dentro do Supremo Tribunal Federal”, disse em evento com evangélicos em Vitória, neste sábado, 23.

A configuração atual da Suprema Corte, para Bolsonaro, não favorece a manutenção da criminalização do aborto. “Pelo menos metade mais um está favorável lá ao aborto, mas acha que não tem clima no momento de tratar esse assunto”, disse, sem explicar por que entende que os atuais ministros têm esse posicionamento. Na capital do Espírito Santo, o presidente da República criticou a decisão da corte da Colômbia, que descriminalizou o aborto nas primeiras 24 semanas de gravidez. 

Bolsonaro indicou Kassio Nunes Marques e André Mendonça, nas vagas de Celso de Mello e Marco Aurélio Mello por aposentadoria compulsória, respectivamente. Em maio do ano que vem, Ricardo Lewandowski irá se aposentar, enquanto Rosa Weber deixará o STF em outubro. Para as vagas dos dois, novos ministros serão nomeados pelo presidente que ganhar a eleição em 2022.

Publicações relacionadas