Caixa rejeitou denúncias contra Pedro Guimarães no início da pandemia

Área interna do banco estatal engavetou de maneira consecutiva duas reclamações de funcionária

Publicado quinta-feira, 07 de julho de 2022 às 07:50 h | Atualizado em 07/07/2022, 08:30 | Autor: Da Redação
Pedro Guimarães em uma das lives com o presidente Jair Bolsonaro (PL)
Pedro Guimarães em uma das lives com o presidente Jair Bolsonaro (PL) -

Uma das denúncias de assédio moral contra o agora ex-presidente da Caixa, Pedro Guimarães, foi engavetada ainda no ano de 2020. A informação é do colunista Rodrigo Rangel, do site Metrópoles. 

De acordo com a publicação, trata-se um episódio ocorrido em maio de 2020 com ameaças e constrangimento promovidos por Guimarães durante uma live feita pelo banco para explicar o pagamento do auxílio emergencial durante a pandemia. Na ocasião, revoltado com problemas ocorridos na transmissão, ele ameaçou demitir todos da equipe envolvida. 

Conforme o colunista, após o episódio, uma funcionária ficou indignada com a postura do presidente da Caixa e formalizou uma reclamação contra ele por violação às regras internas, segundo as quais “é vedado ao agente público praticar qualquer tipo de assédio, mediante conduta verbal ou física de humilhação, coação ou ameaça”.

No entanto, a Caixa rejeitou duas vezes a reclamação. Na primeira resposta, disse que a funcionária descumpriu regras internas por ter usado “palavras ofensivas e de baixo calão” na reclamação. Na segunda, quase um mês, o departamento afirmou que desconhecia os fatos apontados pela funcionária e que não via nenhuma norma do Código de Conduta na qual a ocorrência pudesse se enquadrar.

Publicações relacionadas