PL reclama no TSE após Pabllo Vittar exaltar Lula no Lollapaloza

Partido quer que festival oriente os artistas a não se manifestarem sobre nenhum pré-candidato

Publicado sábado, 26 de março de 2022 às 18:52 h | Atualizado em 26/03/2022, 19:36 | Autor: Da Redação
Partido cita que o evento aconteceu em São Paulo para 100 mil pessoas e a repercussão nas redes sociais foram inestimáveis
Partido cita que o evento aconteceu em São Paulo para 100 mil pessoas e a repercussão nas redes sociais foram inestimáveis -

Após a cantora Pabllo Vittar ter desfilado com uma bandeira com a foto do ex-presidente Lula e ter dado gritos de 'fora Bolsonaro' em sua apresentação no Lolapalooza desta sexta-feira, 25, o PL, partido do presidente Jair Bolsonaro, pediu neste sábado, 26, que o festival seja notificado.

Segundo o partido, o ato da cantora pode ser considerado propaganda eleitoral antecipada. Além de Pabllo, a cantora internacional Marina também se manifestou contra o atual presidente no festival.

"Estou cansada dessa energia, foda-se, Bolsonaro", bradou ela.

A defesa do partido pede que o Lolapalooza seja obrigado a orientar os artistas a não fazer referências a candidatos sob pena de multa. Segundo o PL, as apresentações de Pabllo e Marina podem ser consideradas showmícios, prática proibida por lei.

Leia também:

>>Com risco de crime eleitoral, Bolsonaro anuncia pré-candidatura

"Dado o evidente caráter propagandístico do ocorrido, que incluía uma bandeira com a foto do pré-candidato Lula, e sendo cabalmente demonstrada sua ocorrência anteriormente ao período permitido pela norma, configurada está a prática de propaganda eleitoral antecipada", diz trecho do documento, que cita ainda o ato de Marina.

"A cantora internacional Marina incide em propaganda eleitoral antecipada, na modalidade negativa, quando incita os presentes a proferirem palavras de baixo calão contra o pré-candidato filiado à legenda representante, notadamente quando sua fala de inicia com – “estou cansada dessa energia, f…-se Bolsonaro”, a depreender que o pré-candidato de alguma forma representa algo de negativo para ela, e, consequentemente, para sua legião de fãs".

O partido cita ainda que o evento aconteceu em São Paulo para 100 mil pessoas e a repercussão nas redes sociais foram inestimáveis. O documento diz que a manifestação das artistas fere inúmeros dispositivos legais.

"Eis porque a manifestação política em mais de um show, uma em absoluto desabono ao pré-candidato Jair Bolsonaro e outra em escancarada propaganda antecipada em favor de Luiz Inácio negativa e antecipada   além de promoverem verdadeiro showmício, sendo indiferente se o evento foi custeado pelo candidato ou se o mesmo esteve presente no ato".

Publicações relacionadas