MP "bota freio" em Suzana Ramos por publicidade com recursos públicos | A TARDE
Atarde > Portal Municípios > Vale do São Francisco

MP "bota freio" em Suzana Ramos por publicidade com recursos públicos

Recomendação do órgão tem prazo de 30 dias para ser cumprida pela gestora

Publicado quarta-feira, 05 de junho de 2024 às 07:50 h | Autor: Da Redação
Órgão determinou providências para serem tomadas pela prefeita
Órgão determinou providências para serem tomadas pela prefeita -

O Ministério Público da Bahia (MP-BA) emitiu uma recomendação à prefeita de Juazeiro, Suzana Ramos (PSDB), para que não pratique, no âmbito da administração pública e com recursos do erário, atos de publicidade "que contrarie o disposto no § 1º do art. 37 da Constituição Federal", de forma a promover indevidamente enaltecimento do agente público. Ou seja, autopromoção em ações da prefeiutra, principalmente em postagens nas redes sociais.

O órgão determinou que as seguintes providências sejam tomadas pela prefeita:

- Proceda com a adoção das medidas legais e administrativas necessárias, ajustando, às suas expensas e sem utilização de recursos públicos, a publicidade realizada nas redes sociais da Prefeitura que caracterizem promoção pessoal, evitando a promoção pessoal sua enquanto chefe do Poder Executivo do Município;

- A prefeita deverá adotar medidas para alinhar futuras veiculações aos limites ditados pela Constituição Federal, abstendo-se de utilizar as redes sociais do município para fazer novas publicações com marcações, textos, vídeos, fotografias, comentários, nomes, que configuram, através das postagens, promoção pessoal sua enquanto chefe do Poder Executivo do município, bem como de qualquer agente público, nas redes sociais que vinculem à Prefeitura.

O MP fixou o prazo de 30 dias para a prefeita justificar o cumprimento e encaminhar à 8ª Promotoria de Justiça a comprovação necessária da regularização da situação.

De acordo com o MP, a não adoção das providências recomendadas poderá implicar na adoção das medidas extrajudiciais e judiciais.

Publicações relacionadas

MAIS LIDAS