Menu
Pesquisa
Pesquisa
Busca interna do iBahia
HOME > SALA A TARDE
Ouvir Compartilhar no Whatsapp Compartilhar no Facebook Compartilhar no X Compartilhar no Email
18/05/2024 às 17:36 • Atualizada em 18/05/2024 às 21:30 - há XX semanas | Autor: Isabela Cardoso

“Nosso Congresso foi carbono zero”, destaca presidente do Ibrades

Evento reuniu cerca de 800 pessoas durante os dois dias de debates

Isabela Suarez e Georges Humbert, organizadores do evento, ao lado do ministro Afrânio Vilela (ao centro)
Isabela Suarez e Georges Humbert, organizadores do evento, ao lado do ministro Afrânio Vilela (ao centro) -

Encerrado com êxito após dois dias de intensos debates, o II Congresso Brasileiro de Direito e Sustentabilidade se destacou por realizar uma edição com 100% carbono zero, em Salvador. Ao Portal A TARDE, Georges Humbert, presidente do Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Sustentável (Ibrades), organização responsável pelo evento, trouxe a novidade e enalteceu a parceria com a Associação Brasileira de Empresas de Base Florestal (Abaf) e o Grupo Index nessa iniciativa.

“Eu queria destacar uma entrega que é uma novidade que não teve no ano passado, mas que nosso congresso foi carbono zero. Teve 100% de suas emissões de gases neutralizadas em parceria com a Associação Brasileira de Empresas de Base Florestal, carbonos que foram emitidos, seja nas viagens, nos palestrantes, circulações de pessoas, uso de equipamentos, de energia, energia renovável predominante com a parceria com a Neoenergia. Essa neutralização do carbono foi calculada por essa empresa parceira, a quantidade de emissões, com metodologia aprovada nacional e internacionalmente. O Plantio das mudas de árvores para compensar essas emissões será feito pela Abaf”, pontuou.

Veja as fotos do 2º dia do Congresso de Direito e Sustentabilidade

Georges também ressaltou a participação diversificada do público, que veio de diversas regiões do país. Segundo o presidente do Instituto, o evento totalizou cerca de 800 pessoas em circulação no espaço durante os dois dias.

“Um tamanho duas vezes maior do que o primeiro e também outros aspectos, sejam nas entregas difundidas por mediadores, palestrantes, conferencistas, pelo evento paralelo da Sala A TARDE, a cobertura da imprensa escrita, falada, televisionada e, principalmente, também com a participação. A participação que foi registrada em números superaram o ano passado, foram mais de 600 inscritos formalmente, e uma estimativa última de 200 outros a mais que circularam sem fazer o cadastro, porque estavam acompanhando autoridades, assessorias. Então, foram no total 800 pessoas circulando nos dois dias do nosso evento. Outro resultado bastante positivo foi a participação desse ano de pessoas de não só conferencistas e palestrantes, mas congressistas dos quatro cantos do país. Tivemos pessoas da região norte, dos estados da chamada Amazônia Legal, do Nordeste, Rio Grande do Norte, Ceará, Paraíba. Tivemos eh participantes de Santa Catarina, do Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, da região oeste do Brasil. Isso mostra que as pessoas estão vindo para Salvador para integrar esse nosso evento”, disse.

Humbert também fez questão de agradecer à toda direção do Congresso pelo resultado de sucesso do evento.

“O contato de diversos segmentos do empresariado, do terceiro setor da comunidade científica, da sociedade civil e dos três poderes querendo integrar e fazer parte do terceiro congresso. Então isso já é um fruto colhido do resultado de um trabalho muito bem sucedido feito pelo Ibrades, pela Associação Comercial da Bahia, pela nossa direção, eu como presidente do Ibrades, a Samanta Peneda nossa vice-presidente que vem do Paraná pra trazer essa colaboração, a nossa diretora executiva Mirela Humbert, minha esposa, e a associação comercial do presidente Paulo Cavalcante, que é um entusiasta da Participação Cidadã Ativa, que é uma pauta que ele tem defendido, e a Isabela Suarez que tem um histórico de longa data de quase 20 anos de atuação no terceiro setor, em favor da sustentabilidade nas ilhas da Baía de Todos-os-Santos, e como vice-presidente de sustentabilidade, tem reforçado com sua experiência, sua expertise, com sua visão de advogada e empresária. Ela trouxe essa capacidade para congresso em fazer essa entrega e juntar todos os segmentos numa mesma mesa de forma dialética”, completou.

Para o diretor, a edição de 2025 terá ainda mais novidades por causa da realização da COP 30 no Brasil.

“O nosso congresso vai ter uma dedicação especial a mostrar ao Brasil e o mundo o que é que a Bahia, Salvador, o Brasil tem pra assegurar um meio ambiente ecologicamente equilibrado para as presentes e futuras gerações sem deixar de gerar riqueza e, principalmente, erradicar a fome, a pobreza e promover justiça social”, completou.

O Congresso teve a presença de nomes como Bárbara Camardelli, Procuradora Geral do Estado da Bahia. Ao Portal A TARDE, ela contou sobre sua experiência no evento e destacou o olhar atento sobre os temas abordados.

“Sustentabilidade e as relações com o meio ambiente e a governabilidade constituem hoje o tema central para se falar em desenvolvimento social e econômico. O Congresso trouxe uma rica oportunidade para o diálogo entre os setores público e privado, permitindo olhares sobre prospecção de investimentos, atendimento a demandas sociais e preservação ambiental”, disse.

Sala A TARDE

A Sala A TARDE foi uma das atrações principais do II Congresso Brasileiro de Direito e Sustentabilidade. Em sua estreia, o espaço apresentou um total de oito paineis, nos dois dias de evento, com palestrantes de peso sob a curadoria do Anota Bahia. Grandes nomes dos setor público e da iniciativa privada prestigiaram o espaço, além de convidados. A temática do fomento a práticas de sustentabilidade e a relevância da economia náutica para a Bahia e o Brasil permearam os debates no local.

"O espaço colheu os frutos da relação de sucesso entre A TARDE e o Anota Bahia, funcionando simultaneamente com a sala principal, reunindo líderes e especialistas em um diálogo essencial sobre os exemplos de gestão com boas praticas sustentáveis, expostos em paineis que apontam caminhos para o desenvolvimento com sustentabilidade", avalia o presidente de A TARDE, João de Mello Leitão.

"A Sala A TARDE fortalece e consolida essa grande parceria entre o Grupo A TARDE e o Anota Bahia. Além de termos oferecido uma experiência única ao público baiano, seguimos sendo pioneiros em ações que fazem interagir o on e o off", afirma Tamyr Mota, sócio-diretor do Anota Bahia e colunista social do Grupo A TARDE.

João Leitão ressalta que o Grupo segue firme no propósito de contribuir para a sociedade, levando informações e conhecimento, por meio de suas plataformas e eventos. "A cobertura realizada por todo nosso time de conteúdo foi essencial para garantir que nossa mensagem alcance a todos os públicos, onde quer que estejam. Desde nossas redes sociais, a rádio A TARDE FM e nossos jornais e portais A TARDE e Massa!, dedicados e engajados na integração e proximidade com nossos usuários. Ao mantermos uma presença consistente e coerente em todas as plataformas, podemos maximizar nosso alcance e impacto, construindo relacionamentos sólidos e duradouros", aponta.

Ele ressalta que o programa de educação sócio-ambiental é um dos grandes pilares do Grupo A TARDE, "iniciativa crucial para promover a conscientização e ação em relação às questões sociais e ambientais, capacitando indivíduos e comunidades para compreenderem os desafios enfrentados pelo meio ambiente e pela sociedade, bem como para desenvolverem habilidades e comportamentos que promovam a sustentabilidade e o bem-estar coletivo".

Compartilhe essa notícia com seus amigos

Compartilhar no Email Compartilhar no X Compartilhar no Facebook Compartilhar no Whatsapp

Repórter cidadão

Contribua para o portal com vídeos, áudios e textos sobre o que está acontecendo em seu bairro

ACESSAR

Publicações Relacionadas

Assine nossa newsletter e receba conteúdos especiais sobre a Bahia

Selecione abaixo temas de sua preferência e receba notificações personalizadas

BAHIA BBB 2024 CULTURA ECONOMIA ENTRETENIMENTO ESPORTES MUNICÍPIOS MÚSICA POLÍTICA