Estudo traz problemas mentais como sequelas mais longas da Covid

Trabalho foi realizado em seis países europeus e seguiu pacientes por até 16 meses

Publicado segunda-feira, 21 de março de 2022 às 08:21 h | Atualizado em 21/03/2022, 10:42 | Autor: Da Redação
Estudo apontou um aumento de 18% nos casos de depressão e de 13% nos casos de transtornos do sono
Estudo apontou um aumento de 18% nos casos de depressão e de 13% nos casos de transtornos do sono -

Um estudo liderado por pesquisadores da Universidade da Islândia mostra que os problemas mentais são as sequelas mais longas da Covid-19, ou seja, que mais demoram para ceder e persistem. O trabalho seguiu pacientes por até 16 meses e, após a conclusão, apontou um aumento de 18% nos casos de depressão e de 13% nos casos de transtornos do sono.

Realizado em seis países europeus, o estudo mostrou que o maior fator de risco para o surgimento de problemas mentais de longo prazo foi o tempo de internação no período da viremia, como é chamada a fase aguda da infecção. 

“Pacientes que ficaram acamados por mais de sete dias tiveram um risco persistentemente maior de sintomas de depressão (61%) e ansiedade (43%) do que aqueles não diagnosticados”, escreveu o grupo em artigo na revista médica Lancet.

Os cientistas também incluem grupos da Dinamarca, Noruega, Suécia, Reino Unido e Estônia. No estudo, especulam quais seriam os mecanismos que fazem a infecção pela Covid-19 ser sentida de forma preocupante também no sistema nervoso, trazendo que o impacto psicológico do período de isolamento social também teve um papel.

Publicações relacionadas