Defesa afirma que Alexandre Pires foi surpreendido com operação da PF | A TARDE
Atarde > a tarde + > Entretenimento

Defesa afirma que Alexandre Pires foi surpreendido com operação da PF

Segundo a investigação, o artista integrava ’núcleo financeiro’ de esquema ilegal

Publicado terça-feira, 05 de dezembro de 2023 às 18:39 h | Autor: Da Redação
A PF aponta que Pires recebeu dois depósitos, de R$ 357 mil e de R$ 1 milhão
A PF aponta que Pires recebeu dois depósitos, de R$ 357 mil e de R$ 1 milhão -

A defesa do cantor Alexandre Pires disse, nesta terça-feira, 5, que o artista foi surpreendido pela operação da Polícia Federal a respeito de um suposto esquema de garimpo ilegal na Terra Yanomami. Através de nota, os advogados negaram participação de Pires na quadrilha e destacaram que o cantor é “uma das mais importantes referências da música brasileira, sendo possuidor de uma longa e impecável carreira artística”.

“Na qualidade de advogado do cantor e compositor Alexandre Pires, vimos a público, diante das notícias veiculadas pela mídia em geral, esclarecer que o cantor Alexandre Pires não tem e nunca teve qualquer envolvimento com garimpo ou extração de minério, muito menos em área indígena”, pontuou Luiz Flávio Borges D’Urso.

Ainda segundo a defesa, o cantor “jamais cometeu qualquer ilícito, o que será devidamente demonstrado no decorrer das investigações, reiterando sua confiança na Justiça brasileira”.

A PF aponta que Pires recebeu dois depósitos, de R$ 357 mil e de R$ 1 milhão em suas contas bancárias. A investigação identificou ainda que uma das contas bancárias do músico também chegou a enviar, em uma atividade considerada atípica, R$ 160 mil para a mineradora.

Para os investigadores, essas movimentações financeiras indicam que a conduta de Pires ignorou “a origem do dinheiro e assumiu o risco de ser proveniente de atividade criminosa”.

Ainda de acordo com a PF, “os valores expressivos advindos de uma pessoa jurídica do ramo minerário com artista consagrado nacionalmente é um forte indicativo de ignorância deliberada sobre a origem criminosa do dinheiro de forma a evitar responsabilização criminal”.

A operação chamada de Disco de Ouro é um desdobramento de uma ação da PF deflagrada em janeiro de 2022, quando 30 toneladas de cassiterita extraídas de terra indígena que se encontravam depositadas na sede de uma empresa investigada e estariam sendo preparadas para remessa ao exterior.

Publicações relacionadas